Edição 80

Professor Construir

A importância do ensino da Matemática com a Música

Nélio Almeida de Oliveira

A Matemática permite o maior conhecimento da atualidade, pode ajudar a organizar a forma de raciocínio, disponibiliza às pessoas grandes descobertas e pode encontrar e proporcionar um avanço científico e tecnológico. A Matemática é universal, independentemente de fatores como língua, geografia ou economia.

D’Ambrósio (1986, p. 40)

Uma visão distorcida e sua solução

No ensino tradicional da Matemática não tem havido, geralmente, um respeito pela criatividade do aluno. A metodologia de ensino de muitos professores, frequentemente, não se preocupa com a imaginação matemática dos alunos, gerando um grande desencontro na relação ensino-aprendizagem. Dessa forma, essa grande aliada da apresentação dos conteúdos matemáticos (a imaginação) é desfigurada pela “impotência” dos alunos frente à “sabedoria” do mestre que, aparentemente, encontra os melhores caminhos para a solução de questões matemáticas. Na verdade, esse modo de proceder muitas vezes só é possível porque o professor já conhece, antecipadamente, aquele conteúdo. Na situação do ensino tradicional da Matemática, pensar nos meios possíveis e essenciais para se resolver um problema não tem tido uma maior atenção por parte dos docentes da área.

Na Educação Musical, pode-se comparar a problemática com a discussão proposta no parágrafo anterior. A visão musical, assim como a matemática, segue regras, mas sempre deixa fluir um fator muito importante: a imaginação e o improviso. Assim, também permite e estimula o aluno a criar seus próprios meios de chegar às soluções.

A Matemática faz com que as pessoas possam desenvolver sua criatividade intelectual por meio do contato com números. Proporciona a resolução de questões, vivenciadas na vida diária, envolvendo numerais e quantidades e, com isso, também, possibilita as combinações e a análise de resoluções para sua vida, preparando as pessoas para uma vida social cujo raciocínio possa se dar de forma ampla. Com o dia a dia, elas poderão pôr em prática ideias que exijam classificar, conservar e assimilar com rapidez e, assim, perceber a importância da Matemática no auxílio de novas descobertas.

Percepção dos estímulos do mundo exterior

Os bens instrumentais que servem para preservar a vida e a saúde de todos os seres humanos devem ser produzidos mediante o menor esforço possível de todos.

Albert Einstein

a_importancia_1Percepção é a capacidade de distinguir, refinar e qualificar algo, fator fundamental do conhecimento humano. Na Música e na Matemática, essa capacidade ocupa um lugar de centro ou “excelência”. Na Matemática, associa-se à possibilidade de reconhecer problemas e definir os meios para solucioná-los. A associação mais comum da palavra percepção ocorre principalmente com os sentidos da visão e da audição, sendo, respectivamente, olhos e ouvidos os órgãos mais ligados diretamente com o cérebro.

Segundo Carlos Eduardo de Souza Campos Granja, em seu livro Musicalizando a Escola: Música, Conhecimento e Educação (p. 49), com o desenvolvimento das pesquisas em Ciências Cognitivas, unindo o campo da Psicologia com o da Teoria da Informação, a percepção voltou a ser estudada no âmbito dos processos cognitivos, favorecendo uma maior aproximação entre as ciências Música e Matemática. O signo — alfabeto, numerais ou notas no pentagrama, símbolos que expressamos para informar nossas ideias — impregna todas as dimensões da vida humana. Sem a mediação do signo, não há transmissão de pensamento nem de cognição, incluindo, assim, a memória e a ideia de antecipação, a capacidade, o planejamento e a aprendizagem.

Dessa forma, o aprendizado deve acontecer da mais simples e agradável forma, sem muitas formalidades acadêmicas e com bastante significados reais para o aluno seguir no caminho do aprender a aprender.

Nélio Almeida de Oliveira é educador.
Endereço eletrônico: neliomocuishle@hotmail.com

 

Referências

ABDOUNUR, Oscar João. Matemática e Música: o Pensamento Analógico na Construção de Significados. 2. ed. São Paulo: Escrituras, 2002.
GRANJA, Carlos Eduardo de Souza Campos. Musicalizando a Escola: Música, Conhecimento e Educação. São Paulo: Escrituras, 2006.

cubos