Edição 15

Projeto Didático

A poesia personifica as coisas

Neste bloco, evidencia-se a idéia de que, no campo poemático, tudo é possível, tudo pode ser engendrado no jogo da linguagem.

Personagem:
— Na poesia, tudo ganha vida: os bichos falam, as pedras andam… Como se fossem gente!

Música: O Caderno – Toquinho e Mutinho

A porta
Vinicius de Moraes

Eu sou feita de madeira
Madeira, matéria morta.
Mas não há coisa no mundo
Mais viva do que uma porta.

Eu abro devagarinho
Pra passar o menininho.
Eu abro com cuidado
Pra passar o namorado.
Eu abro bem prazenteira
Pra passar a cozinheira.
Eu abro de supetão
Pra passar o capitão.

Só não abro pra essa gente
Que diz (a mim bem me importa…)
Que se uma pessoa é burra
É burra como uma porta.
Eu sou muito inteligente!

Eu fecho a frente da casa,
Fecho a frente do quartel,
Fecho tudo no mundo,
Só vivo aberta no céu.

Vovó e o arco-íris
Elias José

O arco-íris
ri pra terra
lá do céu.

O arco-íris
chega quieto,
enfeita-se de cores,
concorre com as flores,
parece cantar
de contente.

O arco-íris
dá na gente
uma vontade de voar.

O arco-íris
bebe água no ribeirão.

Depois, as cores-irmãs dão
ao céu
um tom diferente
e encantam os olhos
da gente.
E vovó,
muito engraçada,
fala que é
o arco-da-velha.

E completa:
— É meu casamento,
minha neta
está convidada.

Então não sabia?
Sol com chuva:
casamento de viúva.

cubos