Edição 35

Matérias Especiais

AGOSTO tem dia dos pais!

agostoAgosto mês do desgosto?
Que mau gosto
de quem inventou isso!
Não pode existir
um mês assim,
do desgosto.
Por isso, Agosto,
oitavo mês do ano,
fica decretado:
você é o mês do bom gosto!
Gostou dessa?

E, falando em bom gosto,
deixe-me dizer,
meu querido Agosto,
que, sem você,
os pais poderiam
até ficar com inveja
das mães.
Não precisa,
por causa de você.
Para elas, em maio,
o Dia das Mães.
Para eles, em agosto,
o Dia dos Pais.

Pais da América,
Europa e África,
da Ásia e Oceania.
Pais de todos
os povos e raças,
do mundo inteiro.
Pais deste nosso país,
o Brasil.
Pai do Céu, Pai de Jesus
e de todos nós.

Todos os pais, todos.
Os da terra e os do céu.
Parabéns, parabéns, parabéns!

Agosto, mês querido
e muito lindo,
obrigado por
ter reservado um dia,
o segundo domingo,
para lembrarmos o nosso pai
e todos os pais.
Sim, eles bem merecem
essa lembrança,
o amor e o carinho
de todos nós.

Claro, claro.
Não é só um dia, é todo dia.
Tudo bem!
Pai merece amor e carinho
o ano inteiro, a vida inteira.
Mas um dia, assim,
para a gente se lembrar,
com mais força,
de todos os pais,
é muito bom e muito lindo.
E que orgulho, Agosto,
você deve sentir,
porque o calendário
reservou para você,
só para você, esse dia,
o Dia dos Pais.

Pai nosso que estais nos céus,
santificado seja o vosso nome.

Pai nosso que estais
também aqui,
neste nosso mundo,
no Brasil.
Venha a nós o vosso reino.
Seja feita a vossa vontade,
Assim na terra
Como no céu.

O pão nosso de cada dia,
nos dai hoje,
Deus querido, pai e mãe.
E perdoai
todas as nossas faltas,
as coisas ruins
que fazemos.
E não nos deixeis
cair em tentação,
a tentação de nos
afastarmos
do vosso amor de pai
e de mãe,
a tentação de perdermos
o rumo na vida,
todas as tentações
que não prestam.

E livrai-nos de todo mal,
ó Pai.
Afastai de nós os perigos.
Defendei-nos dos fracassos,
das desilusões,
dos desencantos.
Ficai conosco, ó Pai,
hoje e sempre.
Assim seja.

Extraído da Agenda ReCriar

cubos