Edição 84

Reunião de Pais e Mestres

As cem melhores coisas que você pode fazer pelo seu filho

familia_Depositphotos_2_opt

Poucas coisas são mais importantes na vida do que educar crianças. No entanto, a maioria das pessoas não recebe nenhuma educação formal para realizar essa tarefa com sucesso. Em grande medida, as habilidades de educar filhos são desenvolvidas na observação de como nossos próprios pais lidaram conosco e com os nossos irmãos. Quando temos pais tranquilos e eficientes, nossas habilidades de educar tendem a funcionar. Se nossos pais foram pouco habilidosos em lidar com os filhos, tendemos a ter dificuldade em lidar com nossos próprios filhos.

Embora a educação de filhos possa ser tremendamente compensadora, é, muitas vezes, cheia de dores de cabeça, confusão e sofrimento. Se você seguir os princípios delineados aqui, notará um aumento marcante na sua eficiência com seu filho, além de um relacionamento pleno e mais positivo.

Escolha aquelas que são apropriadas para a situação. Essas “melhores coisas que você pode fazer pelo seu filho” foram reunidas com o passar dos anos de experiência clínica com crianças e adolescentes “difíceis” e “não tão difíceis”. Essas dicas também resumem tudo o que foi abordado em O manual de instruções que deveria vir com seu filho, de Daniel Amen.

Lembre-se de como é ser criança e adolescente

1. Lembre-se de como é ser criança (o bom e o ruim). Como se sentia quando tinha a idade deles. Isso vai ajudá-lo a reconhecer e a lidar com as preocupações dos filhos.
2. Lembre-se de como se sentia quando mamãe e papai estavam muito ocupados para atender você.
3. Lembre-se de como era quando você dizia uma mentira e de como gostaria que seus pais tivessem reagido ao descobrir a verdade.
4. Lembre-se de como se sentia quando seus pais brigavam entre si. Você briga da mesma maneira com o seu parceiro?
5. Lembre-se de como se sentiu quando sua mãe ou seu pai o/a levou a um lugar muito especial.
6. Lembre-se das horas das refeições. Se foram experiências positivas (e por quê) ou experiências negativas (e por quê).
7. Lembre-se de como se sentia na hora de ir para a cama.
8. Lembre-se da primeira vez em que você convidou alguém para sair, ou de quando foi convidado, e da intensa ansiedade que acompanha um namoro.
9. Lembre-se de seus sentimentos e suas experiências sexuais quando criança e adolescente.
10. Lembre-se dos piores professores que teve. Assim, você pode entender seus filhos quando eles reclamam da escola.
11. Lembre-se dos melhores professores que teve, para dizer aos seus filhos como a escola pode ser boa.

A autoridade é essencial

12. Ser firme com seus filhos não é o mesmo que ser mau.
13. A autoridade é essencial para manter ordem e estrutura na família. Seus filhos o respeitarão mais se acreditarem, de fato, que você deve ser a figura de autoridade nesse relacionamento.
14. Estabelecer a autoridade (de forma gentil) com a criança aumenta a criatividade. Os limites são conhecidos, e ela não precisa testá-los constantemente, deixando energia para atividades mais produtivas. Além disso, a criança também aprenderá a lidar com a autoridade quando adulta.
15. Faça valer o que diz. Não permita que a culpa o faça voltar atrás naquilo que sabe que é certo.

Seu relacionamento com seus filhos é a chave do sucesso

16. Seu relacionamento pessoal com seus filhos é importante para o bem-estar emocional deles! Muitos pais subestimam sua influência. Com um bom relacionamento, eles recorrerão a você quando precisarem. Quando o relacionamento é ruim, procurarão outros (como os amigos) em busca de conselho.
17. Respeite seus filhos. Trate-os em casa como os trataria na frente dos outros. Isso também os ensina a serem autênticos com as pessoas.
18. Passe algum “tempo especial” com seus filhos todos os dias, fazendo o que gostam e querem. Quinze a vinte minutos por dia de “tempo especial” irá fortalecer o elo entre vocês e fará uma grande diferença na qualidade do relacionamento. Quando você está disponível para seus filhos, os ajuda a se sentirem importantes e aumenta sua autoestima.
19. Seja um bom ouvinte. Descubra o que seus filhos pensam antes de lhes dizer o que você pensa.
20. Fale com seus filhos no nível deles.
21. Evite gritos. Como é que você se sente quando alguém grita com você? Fale de maneira suave com eles; assim, estarão muito mais dispostos a ouvi-lo.
22. Mantenha as promessas que fizer.
23. Os filhos aprendem sobre relacionamentos observando como os pais se relacionam entre si. Você está dando um bom exemplo?

Um ambiente amoroso e prestativo

24. Diga aos seus filhos todos os dias que você os ama.
25. Seja carinhoso. Abrace-os sempre que buscarem o seu colo ou a sua proximidade.
26. Estabeleça contato visual com seus filhos todos os dias e pergunte como foi o dia deles.
27. Ouça a música que ouvem para saber que informação está entrando na cabeça deles.
28. Limite a TV e o videogame. Lembre-se: são atividades “sem cérebro” e de pouca utilidade às crianças.
29. Não permita que assistam a muitos noticiários. Isso assusta e aumenta a ansiedade.
30. Cuide dos rituais (ir para a cama, refeições, feriados, etc.), pois fornecem continuidade, estrutura e estabilidade familiar.
31. Apresente-os a uma grande gama de experiências, mesmo que eles hesitem em aceitar.
32. Participe de jogos com seus filhos. A recreação é essencial para uma vida equilibrada e feliz.

Expectativas claras

33. Seja claro com o que espera da criança ou do adolescente. O que funciona bem é fixar regras, delinear as “leis” e os valores da família. Aqui estão oito exemplos:

Falar a verdade.
Tratar um ao outro com respeito.
Não discutir com os pais.
Respeitar a propriedade um do outro.
Fazer o que a mãe e o pai disseram da primeira
vez (sem reclamar ou fazer cena).
Pedir permissão antes de ir a algum lugar.
Guardar as coisas que tirou do lugar.
Procurar maneiras de ser gentil e prestativo um
com o outro.

Dê atenção ao que você gosta bem mais do que ao que você não gosta

34. Quando seus filhos cumprem as regras e as expectativas, note isso. Se nunca reforça a obediência, é pouco provável que ela se mantenha.
35. Note os comportamentos de que gosta nos filhos dez vezes mais do que os comportamentos de que não gosta. Isso os ensina a notar o que eles gostam em si mesmos, em vez de criar uma autoimagem crítica.
36. O elogio e o incentivo não só fortalecem a ligação entre pais e filhos, como aumentam o bom comportamento e ensinam novas habilidades. A raiva e o castigo podem reprimir o comportamento difícil, mas não ensinam nada de bom a longo prazo e ainda prejudicam o relacionamento.

Disciplina

37. Lembre-se: não diga aos seus filhos para fazerem alguma coisa dez vezes. Espere que obedeçam da primeira vez! Esteja pronto para fazer valer suas palavras.
38. Use a disciplina para ensiná-los, em vez de castigar ou revidar por causa do mau comportamento.
39. Jamais os discipline quando estiver descontrolado. Retire-se por um tempo até reassumir o controle de si mesmo.
40. Considere o mau comportamento como um problema que você vai resolver, em vez de se fixar na ideia de que “o garoto está só querendo me irritar”.
41. É importante que faça valer consequências rápidas e claras para regras quebradas, de forma direta e sem emoções exacerbadas. Bronca e gritaria são extremamente destrutivas e ineficientes.
42. Sempre se lembre das palavras firme e gentil. Um pai costumava dizer “duro como um prego e gentil como um cordeiro”. Tente equilibrar os dois ao mesmo tempo.
43. Quando seus filhos ficarem presos no comportamento negativo, tente distraí-los e volte ao assunto mais tarde.
44. Lide com a mentira e o roubo imediatamente.
45. Aprenda a lidar com situações difíceis com seus adolescentes (sexo, drogas, desrespeito). Muitos pais me perguntam se funciona bater nos filhos. Respondo que a questão é a qualidade do relacionamento e a capacidade de ser firme e gentil com eles.

Escolhas

46. Dê aos seus filhos a chance de escolher entre várias alternativas, em vez de decretar o que eles vão fazer, comer ou vestir. Se tomar todas as decisões por eles, serão incapazes de tomar suas próprias decisões mais tarde.
47. Antes de dizer a sua opinião sobre uma decisão na vida deles, peça-lhes que lhe contem o que pensam.
48. Incentive-os a tomar decisões independentes, baseadas no conhecimento que têm, em vez de fazê-lo com base na opinião dos amigos.

Supervisão

49. Supervisione a experiência escolar. Conheça o professor. Seja uma parte ativa da classe dos seus filhos. Às vezes os pais são as últimas pessoas a saber de coisas que não estão dando certo. Quando você se envolve, ajuda a mantê-los nos eixos.
50. Saiba onde estão todo o tempo. Diga-lhes que quer saber com quem estão, o que estão fazendo e a que horas chegarão em casa. Mostre-lhes que vai verificar periodicamente. De início, vão reclamar de sua intromissão; mas, a longo prazo, vão gostar por você se importar.
51. A confiança é baseada nas experiências passadas. Mostre que o grau de liberdade deles depende de quão confiáveis se mostrem.
52. Passe um tempo com os amigos de seus filhos (mesmo que o rejeitem), para saber a que tipo de influência seus filhos estão expostos.
Apoio dos pais

53. Os pais precisam estar juntos e apoiar um ao outro.
54. Quando, aos filhos, é permitido dividir a autoridade paterna, acabam tendo muito mais poder do que lhes seria benéfico.
55. Os pais que têm suas forças sugadas não conseguem se dar de forma adequada aos filhos. Nesse caso, o melhor é reservar um tempo para repor as energias.
56. A melhor coisa que você pode fazer pelos seus filhos é amar o seu parceiro.

Autoestima

57. As crianças assumem os rótulos que lhes damos. Seja cuidadoso com os apelidos e as frases que usa para descrever seus filhos.
58. A autoestima deles é mais importante do que a qualidade de sua lição de casa.
59. Ajude-os a ter ilhas de competência em áreas de seu interesse (esporte, música, etc.). A autoestima se baseia na capacidade de a pessoa se sentir competente.

Ensinando as crianças

60. Uma forma significativa de seus filhos aprenderem valores é observando o comportamento dos pais. Ensine-lhes valores através de sua conduta e de sua experiência de vida.
61. Converse sobre sexo e drogas. Não deixe essa responsabilidade para a escola!
62. Ajude-os a aprender com seus erros. Não os menospreze, senão farão com eles mesmos quando não alcançarem a perfeição.
63. Tenha somente alimentos saudáveis em casa: assim, aprenderão a comer bem para manter a saúde.
64. Ajude-os a incluírem as atividades físicas na rotina diária.
65. Respeito à natureza e aos animais são valores que devem ser reforçados na educação.
66. Converse sobre vida e morte.
67. Não permita que culpem os outros pelo que acontece em sua vida.
68. Ensine-lhes o poder de delegar.
69. Agradecer o que recebem é outro aprendizado importante.
70. Demonstre que a organização torna o dia a dia mais fácil (isso pode significar manter o quarto arrumado, mesmo quando essa não seja a tendência natural deles).
71. Faça da leitura um hábito. Leia para seus filhos (ou peça que eles leiam para você).
72. Informe-se sobre as novas tecnologias e seja o primeiro a lhes ensinar.

Trabalho e filhos

73. Incentive seus filhos a trabalhar por aquilo que querem, ao contrário de lhes dar tudo o que pedem. O trabalho é bom para eles.
Irmãos

74. Incentive e recompense o respeito entre irmãos. Corrija o comportamento inadequado e hostil. Lembre-se de que um pouco de rivalidade entre irmãos é normal.

Amigos e colegas

75. Não se meta nas brigas entre os amigos e colegas de seus filhos, mas esteja disponível para dar conselhos.
76. Não permita que andem na companhia de pessoas que usem drogas, que briguem ou se envolvam em atividades perigosas.

Quando há problemas

77. Procure ajuda profissional para seus filhos quando necessário. Não varra os problemas para debaixo do tapete. Incentive-os a falar sobre as coisas que não estão funcionando em sua vida.
78. Peça desculpas quando você cometer erros.
79. Ajude-os a superar incapacidades e fraquezas.

Entenda o que é normal

80. Entenda o desenvolvimento normal (por exemplo: as fases críticas do desenvolvimento, como a revolta dos 2 anos de idade; a questão da independência e identidade nos adolescentes, etc.).
81. Se o adolescente se afastar da família, conquiste-o com bondade, não com rancor.
82. Não diga a um adolescente de 18 anos o que fazer. Provavelmente fará o contrário. Sugira alternativas, ouça, ajude-o mostrando as opções. Seja cuidadoso com suas palavras, senão ele dirá algo como: “Já tenho 18 anos, posso fazer o que quiser”.

Aprenda o máximo possível

83. Ser um bom pai é resultado de aprendizado. Leia, informe-se, aprenda tudo o que puder.

Cuidados com o bem-estar

84. Faça seus filhos usarem capacete quando andarem de bicicleta, skate, patins e em outras situações de alto ristco. Cuide dos esportes que eles praticam, evitando o risco de contusões na cabeça.
85. Leve a sério machucados na cabeça, até os menores.
86. Faça com que, no carro, usem cinto de segurança em todas as ocasiões.
87. Programe dietas equilibradas, com menos açúcar refinado e carboidratos.
88. Ensine seus filhos a terem pensamentos positivos e a se prevenirem contra os pensamentos negativos.
89. Todos os dias, faça com que agradeçam por tudo o que têm.
90. Leve-os para assistir a filmes edificantes.
91. Cerque-os com bons aromas.
92. Faça-os compor uma biblioteca de experiências maravilhosas.
93. Faça exercícios regulares com eles.
94. Ensine-lhes a respirar de forma correta (calma e profundamente, usando o diafragma).
95. Ensine seus filhos a confrontar e lidar com situações conflitantes.
96. Faça com que desenvolvam objetivos claros para sua vida (relacionamentos, escola, trabalho, dinheiro e o self) e que olhem para eles todos os dias.
97. Cante com seus filhos sempre que puder. Faça com que a música se torne parte da vida deles. Se puder, e eles quiserem, proporcione-lhes aulas de dança e de música.
98. Elimine a cafeína na medida do possível.
99. Beba moderadamente na frente deles e jamais use drogas ilegais.
100. Na hora da birra, não permita que batam a cabeça quando frustrados.

cubos