Edição 57

Projeto Didático

Bullying na escola: uma ameaça à dignidade humana

Maria Ana Paula Freire da Silva
Colégio Rosa Gattorno

imagem_9

“Não existe outra via para a solidariedade humana senão a procura e o respeito da dignidade individual.”
Pierre Nouy

Apresentação

A vida humana ganha a sua riqueza se é construída e experimentada tomando como referência o princípio da dignidade. Toda e qualquer pessoa é digna e merecedora do respeito de seus semelhantes e tem como direito boas condições de vida e a oportunidade de realizar seus projetos. Características particulares, como sexo, idade, etnia, religião, classe social, grau de instrução, padrão de beleza, opção política, ideológica, orientação sexual, etc., não aumentam nem diminuem a dignidade de uma pessoa. A sociedade é composta de pessoas diferentes entre si, não somente em função de suas personalidades singulares, como também de categorias ou grupos. Entretanto, independentemente da riqueza relacionada às diferenças, existem preconceitos e discriminações, o que resulta, frequentemente, em conflitos. A atitude de preconceito e/ou intolerância está na direção oposta do que se requer para a existência de uma sociedade democrática, pluralista por definição. As relações entre os indivíduos devem estar sustentadas por atitudes de respeito mútuo, diálogo, solidariedade e justiça.

Justificativa

O projeto Bullying na escola: uma ameaça à dignidade humana visa estimular o respeito às diferenças dentro e fora do âmbito escolar. Segundo a psicóloga Vera Miranda, Mestre em Psicologia da Infância e da Adolescência, as grandes aprendizagens do ser humano ocorrem em meio a dois contextos básicos: a família e a escola. Nessas duas esferas de socialização e aprendizagem, a criança vive relações verticais — com os pais e professores — e horizontais — com irmãos e colegas, que possuem igual poder e estão no mesmo nível de hierarquia. Nessas circunstâncias, percebemos a importância que temos, como educadores/as, no papel social junto a essas crianças, mesmo porque a família, muitas vezes, não tem estrutura para manter um diálogo aberto e adequado sobre temas que envolvem preconceitos já tão arraigados na nossa sociedade. Muitas vezes, nos deparamos com agressões gratuitas de puro preconceito, intolerância e desafeto entre crianças e jovens da nossa comunidade educativa e devemos manter um trabalho de sensibilização destes, a fim de combater esse tipo de comportamento que, muitas vezes, tem como pano de fundo a falta de informação. Silenciar não é uma atitude coerente com a prática educativa, democrática e saudável. O trabalho interdisciplinar e a preocupação com a formação da cidadania colocam em discussão as diferentes relações de gênero, raça, etnia e toda e qualquer desigualdade que ocorra no dia a dia escolar. Nesse contexto, o papel do professor, em união à direção escolar, aos funcionários e aos demais membros da comunidade educativa, é de fundamental importância para a construção de uma escola onde haja respeito e dignidade entre todos.

Objetivos Gerais

Compreender a importância do tema Bullying na escola: uma ameaça à dignidade humana, estimulando e divulgando a formação em Educação não sexista, antirracista, não homofóbica, sem preconceitos e/ou intolerância, visando o bem-estar coletivo.

Objetivos Específicos

Considerar as diferenças existentes em todos os níveis na nossa comunidade escolar.
Estabelecer estratégias para o trabalho de sensibilização e combate às práticas agressivas e repetitivas que possam causar angústia e sofrimento.
Compreender a importância da reflexão e da discussão teórico- -conceitual e da avaliação crítica no que se refere ao tema do projeto.
Promover a criação de um ambiente educacional e social onde meninos e meninas, homens e mulheres, sejam tratados/as igualmente.
Estimular o respeito mútuo entre todos os que formam nossa comunidade educativa.
Sensibilizar a comunidade educativa em relação ao respeito às diferenças.
Participar de debates sobre os temas abordados no projeto pedagógico em questão.
Refletir de forma crítica sobre os conflitos que envolvem práticas relacionadas ao bullying no dia a dia escolar.
Transformar o espaço escolar num espaço democrático, inclusivo e que assegure a aprendizagem, um direito de todos, sem discriminações.
Propiciar aos alunos a apreciação de textos, documentários, filmes e outras fontes que abordem assuntos relacionados ao tema do projeto.
Respeitar o outro, sem humilhações ou discriminações.
Valorizar os pontos de vista de pessoas com opiniões diferentes.
Construir um dia a dia justo, livre e solidário no ambiente escolar e fora dele.
Promover o bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade, aparência física, etc.
Enfrentar o desafio de instalar, no processo de ensino- -aprendizagem que se realiza em cada uma das áreas de conhecimento, uma constante atitude crítica, de reconhecimento e ações em relação às diferenças no contexto escolar.
Contribuir para a formação de cidadãos melhores e mais preparados para o mundo.
Discutir os temas relacionados ao projeto pedagógico para recuperar valores essenciais, como o respeito.
Trabalhar a questão da autoestima com os diversos segmentos da nossa comunidade educativa.
Contribuir para o combate à prática de bullying e cyberbullying nas relações interpessoais.

Metodologia

Fontes de pesquisa

Livros
Revistas e jornais
Textos de pesquisa sobre o tema
Filmes e músicas
Pesquisas na comunidade
Fôlderes
Produções escritas dos alunos e professores
Poesias
Internet
Cartazes

Descrição dos procedimentos de análise das fontes

As fontes serão utilizadas à medida que as etapas do projeto forem sendo realizadas. Nas salas de aula, os alunos receberão subsídios através de textos, livros, pesquisas e outros recursos necessários para dar embasamento teórico à compreensão do tema e fornecer dados importantes para o desenvolvimento do projeto.

Durante a execução do projeto, está previsto o contato com pessoas, grupos e/ou organizações para a realização de palestras educativas na escola. Também serão utilizadas pesquisas de história oral realizadas com nossos alunos, professores e funcionários, a fim de obtermos diagnósticos e soluções do problema que envolve nossa comunidade educativa em relação aos temas abordados.

Os alunos apresentarão trabalhos criativos envolvendo o tema central do projeto, como peças teatrais ou outras apresentações artísticas.

Desenvolvimento

Ações

Pesquisa, seleção e exploração de vários textos relacionados ao tema central e pertinentes ao projeto.

Textos informativos (leitura, compreensão, debates)
DVDs (filmes, entrevistas e documentários)
Internet (pesquisas, entrevistas, textos, etc.)
Poesias, peças teatrais e outras apresentações artísticas
Produções de texto

Estratégias

Realizar uma investigação de forma natural e espontânea para reconhecer a experiência e saber o que pensam os alunos sobre o tema.
Pesquisar e selecionar textos sobre o tema a ser desenvolvido no projeto.
Trocar ideias com a direção da escola, com os professores e outros funcionários sobre o objetivo do projeto.
Sensibilizar os alunos através das aulas, rodas de diálogos, palestras e dos filmes.
Estimular a leitura de textos sobre o tema.
Criar condições para a participação efetiva dos alunos.
Realizar atividades artísticas para a apresentação de peças teatrais e outras atividades relacionadas ao tema do projeto.
Formar grupos para debater o tema em sala de aula, salas temáticas ou em outro espaço previamente estabelecido.
Registrar os avanços proporcionados no dia a dia da escola durante a vigência do projeto.
Avaliar mudanças de comportamento de todos os que formam nossa comunidade educativa.
Respeitar a inclusão de alunos especiais.
Adequar o projeto ao currículo de cada disciplina.
Valorizar atitudes e gestos de educação e sensibilidade dos alunos que contribuem para uma escola mais solidária e que aceitam as diferenças.

Cronograma

O projeto é um processo e se refere às atitudes de mudanças de comportamento, visando uma melhor qualidade de vida na escola e buscando contribuir para um dia a dia participativo e democrático, dando ênfase ao diálogo e ao respeito mútuos.

O projeto Bullying na escola: uma ameaça à dignidade humana inicia- se no mês de agosto de 2010 e deverá se estender até o último dia de aula deste mesmo ano. Porém, diante da relevância dos temas a serem trabalhados, o projeto poderá ter continuidade no ano escolar de 2011.

Avaliação

A avaliação será contínua e processual, de forma natural, através do diálogo diário, dos debates promovidos e dos registros de atividades vivenciadas ao longo dos trabalhos. O processo de avaliação será espontâneo e verificará o potencial e a competência dos alunos em relação à temática, bem como a capacidade de mudança de comportamento mediante o conhecimento adquirido e experimentado.

A avaliação, como um processo contínuo, dar-se-á também através da observação das dinâmicas, dos trabalhos e das mudanças de comportamento de todos os envolvidos, principalmente dos alunos, além da observação da articulação destes com outros projetos desenvolvidos no colégio.

Janna Joceli é coordenadora de apoio do Colégio Rosa Gattorno.

 

Referências bibliográficas

BENJAMIN, Roberto. A África Está em Nós: História e Cultura Afro-brasileira. João Pessoa: Grafset, 2004.
COSTA, M. S.; MORAES, A. Valores Para a Vida. Coleção Ética e Cidadania. Recife: Construir, 2006.
CURY, Augusto. Pais Brilhantes, Professores Fascinantes. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.
GIKOVATE, Flávio. Arte de Educar. Curitiba: Nova Didática, 2001.
OAKLANDER, Violet. Descobrindo Crianças: A Abordagem Gestáltica com Crianças e Adolescentes. São Paulo: Summus
Editorial, 1980. Parâmetros Curriculares Nacionais – Temas Transversais. Brasília, 1983.
PAROLIN, Isabel. Pais e Educadores: Quem Tem Tempo de Educar? Porto Alegre: Mediação, 2007. Respeitando as Diferenças no Espaço Escolar – Nielson da Silva Bezerra (org.). Recife: Gestos, 2007.
Revista Aprende Brasil. Diversidade: Tudo É uma Questão de Visão. Ano 2. Nº 4. Abril 2005.
Revista Atividades & Experiências. Habilidades e Competências – Editora Positivo. Ano 9. Maio 2008.
Revista Construir Notícias: Projeto Político Pedagógico – Somos Todos Diferentes e Iguais: Trabalhando a Inclusão Através da Literatura Infantil/ Nº 29. Ano 05. Julho/agosto 2006.

cubos