Edição 19

A fala do mestre...

CÉLESTIN FREINET

Em 15 de outubro de 1896, nasce Célestin Freinet, em Gars, região de Provença, no sul da França. Na adolescência, muda-se para Nice, onde inicia o Curso de Magistério. Com o advento da Primeira Guerra Mundial (1914–1918), Freinet interrompe seus estudos e alista-se no exército. Os gases tóxicos utilizados na guerra prejudicam seus pulmões e, por isso, ele tem baixa do exército. Mesmo sofrendo desse mal, Freinet dá início às suas atividades como professor-adjunto, mesmo sem ter ainda concluído o Curso Normal. Em sua prática pedagógica, estabelece um sensível contato com os alunos, o que lhe permite desenvolver atividades voltadas para o interesse real das crianças. No período entre 1921 e 1924, trabalha, paralelamente às suas atividades de magistério, com aldeões, e funda uma Cooperativa de Trabalho. Dá início também às primeiras correspondências entre as escolas através das quais estabelece uma troca de experiências entre elas. Entre os anos de 1926 e 1928, casa-se com a artista plástica Elise, edita o livro A Imprensa na Escola, cria a revista La Gerbe (O Ramalhete), com poemas infantis, e funda a Cooperativa de Ensino Leigo; depois segue com Elise para trabalhar em Saint Paul.

O período que vai de 1933 a 1939 marca um novo momento na vida de Freinet. Devido às intensas correspondências decorrentes das atividades realizadas na Escola e na Cooperativa, surgem desconfianças que provocam a exoneração de Freinet do cargo de professor em Saint Paul de Vence. Mesmo assim, ele continua trabalhando na Cooperativa. Finalmente, Freinet abre a sua escola: a Escola de Freinet; e, juntamente com Romain Rolland, cria o movimento Frente da Infância. Inicia-se então a Segunda Guerra Mundial. Freinet é mantido preso no campo de concentração de Var, onde dá aula para os seus companheiros. Após ser solto, Freinet se integra ao Movimento da Resistência Francesa.

Entre os anos de 1947 e 1956, Freinet cria o Icem, uma cooperativa educacional com mais de vinte mil participantes, e lança uma campanha nacional propondo uma reforma no número de alunos por classe — para ele, o número não deveria ultrapassar o de 25 alunos.
Freinet faleceu em 1966, na cidade de Vence, na França.

A Pedagogia Freinet é centrada na criança e baseada sobre alguns princípios. Freinet lança uma proposta pedagógica com o objetivo de modernizar a Escola, através de valores alicerçados no bom senso. A escola que Freinet quer modernizar é a Escola Pública, que ele considera como a escola do povo e, portanto, deve atender, na sua essência, às necessidades do povo. Sua proposta pedagógica revoluciona o processo de ensino–aprendizagem, humanizando-o através de uma relação professor–aluno baseada na verdade. Para isso, ele põe em evidência meios que revolucionaram tanto a educação, de um modo geral, quanto a escola, em particular, estabelecendo uma verdadeira relação professor–aluno lastreada no bom senso.

Freinet, nessa proposta, reage contra o ensino tradicional. A sala de aula, segundo Freinet, deverá ser um local onde professor e alunos, conjuntamente, em clima de harmonia e disciplina, discutam tanto os conhecimentos básicos da aprendizagem como os problemas da vida cotidiana.
Segundo a Profa. Djanira Brasilino de Souza (Natal/RN):
“…. a educação que Freinet propõe é uma educação que respeita o indivíduo e a diversidade e reencontra a identidade própria do ser humano através da individualidade de cada um; que respeita as crianças tais quais elas são, sem submetê-las a modelos pré-estabelecidos, e que as ajuda na formação de sua personalidade. É uma pedagogia real e concreta, que procura oferecer às crianças e aos adolescentes uma educação condizente com as suas necessidades e mediante as práticas cotidianas.”

A Pedagogia de Freinet objetiva elevar o homem à mais alta dignidade do seu ser e, através do exercício da cidadania, promover a realização da sua personalidade. Porém, não é uma ação educativa sem rumos concretos, utópica. A pedagogia freinetiana baseia-se em princípios. São eles: o princípio da cooperação, da comunicação e da expressão livre; o da educação do trabalho e o do tateamento experimental.

Esses princípios estão centrados na criança e se explicitam através da prática educativa nos seguintes pontos:

* Senso de responsabilidade.
* Senso cooperativo.
* Sociabilidade.
* Julgamento pessoal.
* Autonomia.
* Expressão.
* Criatividade.
* Comunicação.
* Reflexão individual e coletiva.
* Afetividade.

As técnicas de ensino propostas na pedagogia freinetiana são as seguintes:

* Imprensa escolar.
* Aula-passeio.
* Texto livre.
* Correção.
* Livro da vida.
* Fichário de consulta.
* Plano de Trabalho.
* Correspondência interescolar.
* Auto-avaliação.

Para saber mais sobre a Pedagogia de Freinet, consulte o site da Associação Brasileira para Divulgação, Estudos e Pesquisas de Pedagogia Freinet – ABDEPPF.
Fonte: http://www.abdeppfreinet.com.br/

cubos