Edição 101

Editorial

Editorial

Prezado Educador,

Prezada Educadora,

Vou começar este editorial contando uma charada que se encaixa bem com o tema central da Construir Notícias: Professor procrastina?.

A charada é assim: três sapos estão em cima de uma folha no meio de um rio. Pois bem, um deles decide pular na água. Quantos sapos restam na folha?

Pense um pouco antes de dar a resposta, porque ela não é tão óbvia como parece.

A resposta correta é: restam três sapos, porque um deles apenas decidiu pular, mas não está escrito que o fez. Muitas vezes agimos como o sapo dessa história. Resolvemos fazer isso ou aquilo, mas acabamos não fazendo nada. Chamamos isso de procrastinação.

Vamos pensar agora no tema Professor procrastina? Posso afirmar que a maioria dos professores procrastina, sim, e de várias maneiras.

Procrastina quando deixa para organizar seu planejamento semanal, muitas vezes, no domingo à noite, na hora do Fantástico, começando a semana cansado. Ao deixar para o prazo final a entrega das notas à coordenação (diz sempre que é “no seu tempo”), fazendo as correções no último dia, dormindo tarde e chegando à escola exausto por ter acumulado essas correções. Procrastina quando deixa de estudar, de ler um livro, de fazer uma especialização, sempre por falta de dinheiro ou por culpa do tempo, entre outras práticas diárias.

Posso até estar errada, mas acredito que, infelizmente, muitos educadores estão sem estímulo, cansados, acreditando que não existem melhoras nos salários, nos alunos, na sociedade, levando suas tarefas só por obrigação, sem motivação. Os educadores precisam parar de procrastinar fazendo uma lista diária, mesmo que seja de coisas “bobas”. Cada tarefa realizada deve ser marcada com tique ou com um OK. Isso já proporciona uma sensação de “dever cumprido”. E não desanime caso observe que não conseguiu fazer tudo, faça um checklist e saia da procrastinação.

Um grande abraço para todos os educadores que batalham para ser melhores hoje do que eram ontem.

assinatura_editorial

cubos