Edição 43

Matérias Especiais

Educar

Gabriel Chalita

educarEducar é fazer o aluno fruir dos bens do planeta em todas as suas manifestações para que sua fantasia, seu verbo e sua linguagem sejam libertários, destemidos, sem freios. É fazer do ato de pensar um feito tão natural quanto respirar. Um dom ao alcance de todos, independentemente de sua condição.

Educar é defender o exercício e a prática que transformam o sujeito passivo em sujeito da própria história. É dar fé a quem está na sala de aula de ser ele uma entidade inviolável, uma aposta no futuro.

Educar é prender o aluno à escola, empenhar todos os recursos para evitar a evasão escolar, a fuga da vida.É despertar nele o desejo de vir a ser um projeto existencial magnífico, sem brechas, fissuras. De vir a ser, no futuro, um congressista, um escritor, um operário, um mestre. Alguém que, ao explorar sua irrenunciável vocação para a vida, nela inclua como meta o saber, o desvendamento da inteligência, o coração ardente, a mirada camaleônica e reveladora.

[...]

Educar é também convencer alunos e cidadãos de que o professor é a única entidade social capaz de modificar a sociedade e torná-la melhor. É um ser aparelhado para se opor à barbárie. Pois quem, senão o mestre, tem a habilidade de chegar mais perto e rapidamente ao coração jovem que recentemente deixou as paredes de casa?

[...]

É, finalmente, reverenciar, hoje e sempre, a figura do professor que, tomando-nos pela mão, enlaçados pelo mesmo ideal, leva-nos a freqüentar o próprio mistério, o coração alheio, a visitar a memória, as civilizações pretéritas que residem em nós.

CHALITA, Gabriel. Pedagogia da Amizade – bullying: o sofrimento das vítimas e dos agressores. São Paulo: Gente, 2008.

cubos