Edição 64

Projeto Didático

Encantado me encontro!

Prefeitura Municipal de Natal – Secretaria Municipal de Educação; Departamento de Educação Infantil – Cmei

projeto_ativ-das-crianç_fmt

Justificativa

O início do ano passado foi marcado pela necessidade de desenvolver um projeto que trabalhasse a autonomia; a concentração; o respeito e a capacidade de escutar o outro; o saber esperar a vez; a construção da identidade; o desenvolvimento da imaginação; as formas adequadas para expressar ideias e sentimentos, compartilhando conhecimentos, trabalhando a linguagem oral, e que fosse, também, prazeroso para as crianças. Assim nasceu o projeto: Era uma vez… Duas e três… Lendo me encanto… encantado me encontro”. A prática educativa não tem receita pronta. É preciso experimentar, tendo bom-senso e ética, para encontrar a melhor forma de realizar cada atividade com as crianças.

Os contos e histórias infantis são transformadores… A humanidade chegou aonde chegou porque algumas pessoas fantasiaram, sonharam e assim escreveram contos e histórias. Imaginar e fantasiar são habilidades que devem ser alimentadas desde a infância, o que beneficia as crianças com um leque de descobertas e resgata valores do cotidiano escolar, além de possibilitar a aprendizagem, a compreensão e a transformação dos conhecimentos à sua volta.

É visível o prazer que as crianças têm, desde muito cedo, em ouvir histórias e narrativas que facilitam a aproximação e o fortalecimento dos vínculos afetivos e que trazem avanços positivos no seu desenvolvimento global.

Por isso, sentimos a necessidade de desenvolver com nossas crianças, na sua fase infantil, um projeto que lhes dê oportunidade de construir, criar, imaginar e fantasiar através de contos e das histórias infantis.

Objetivo geral

Nosso principal objetivo é oportunizar às crianças o contato com as mais diversas formas de leitura, proporcionando-lhes momentos prazerosos, desafiadores; levando-as a perceber que o ato de ler (mesmo que de forma não convencional), além de poder ser usado como obtenção de informações, pode ser muito divertido, lúdico, bem como desenvolve a imaginação, a linguagem oral, gráfica e corporal. Pretendemos oportunizar à criança o aprendizado da leitura e da escrita por meio de atividades que a façam envolver-se ativa e significativamente na construção de novos conhecimentos e novas habilidades. Para tanto, pretendemos utilizar as diferentes linguagens — verbal, gráfica, plástica e corporal — como meio para produzir, expressar e comunicar suas ideias, transformando os conhecimentos prévios, envolvendo-as significativamente nas mais diversas atividades, reconhecendo e valorizando as mais diversas formas de ler e escrever. Bem como aguçar a autoestima e a confiança de nossas crianças quanto ao seu potencial cognitivo.

Objetivos específicos

Eu aprendo construindo_fmt Proporcionar às crianças o contato com diversos gêneros literários.

Favorecer o acesso de livros literários às crianças, contribuindo assim para a formação de todos os discentes como leitores de literatura.

Favorecer a integração e a socialização das crianças com o grupo, propiciando o desenvolvimento tanto psíquico como motor, trabalhando com atividades que envolvam os movimentos, as expressões, os gestos corporais, bem como suas possibilidades de utilização (danças, jogos, brincadeiras…).

Construir um carro itinerante com livros para passar nas salas de aula.

Aproximar ainda mais os pais, criando oportunidades para que possam participar como ouvintes e também como artistas, apresentando suas habilidades nos momentos culturais.

A partir de estudos/pesquisas, realizar dicotomia e/ou analogia entre os temas e as atividades propostos em sala de aula, conseguindo assim, ser um cidadão crítico, participativo e reflexivo.

Permitir à criança um contato com uma linguagem mais elaborada.

Valorizar a leitura como fonte de prazer, entretenimento e conhecimento.

Trabalhar a leitura de forma lúdica e interativa.

Desenvolver a linguagem oral e a expressão corporal.

Despertar a criatividade, a imaginação e o gosto pela leitura.

Incentivar a oralidade das crianças na recitação de poesias e em um sarau poético.

Promover momentos de ilustração de poemas.

Confeccionar livros com a participação das crianças.

Desenvolver sessões historiadas com os contos da literatura infantil.

Dramatizar fábulas e contos apresentando-se para as demais crianças do Cmei.

Confeccionar murais com produções literárias produzidas em sala de aula pelas crianças.

Apresentar alguns autores aos alunos através de seus livros infantis.

Contar e recontar histórias folclóricas.

Criar histórias a partir de relatos das crianças.

Realizar colagens de escritas e desenhos das crianças.

Participar de atividades que envolvam histórias, brincadeiras, jogos e canções que digam respeito às tradições culturais de sua comunidade e de outras.

Eixos temáticos

Linguagem oral e escrita

Uso da linguagem oral para conversar, brincar, comunicar e expressar desejos, necessidades, opiniões, ideias, preferências e sentimentos.

Relato de vivências nas diversas situações de interação presentes no cotidiano.

Elaboração de perguntas e respostas de acordo com os diversos contextos.

Participação em situações que envolvam a explicação e argumentação de ideias e pontos de vista.

Narração de fatos em sequências temporal e causal.

Recontação de histórias.

Conhecimento e reprodução oral de jogos verbais como trava-línguas, parlendas, adivinhas, quadrinhas, poemas e canções.

Participação em situações que envolvam o uso da escrita.

Escrita do próprio nome ou de personagens da História.

Produção de textos individuais e/ou coletivos.

Respeito pela produção pessoal e pela alheia.

Participação em situações que envolvam a leitura, ainda que não o façam de maneira convencional.

projeto_Dona-Baratinha_fmt

Matemática

Utilização da contagem oral.

Noções simples de cálculo mental.

Comunicação de quantidades.

Identificação da posição de um objeto ou numeral.

Noção de sucessor e antecessor.

Os números nos diferentes contextos.

Comparação de escritas numéricas.

Oportunização de momentos de produção, interpretação e ordenação numérica.

Exploração e identificação de propriedades geométricas de objetos e figuras.

Descrição e representação de pequenos percursos e trajetos.

Comparação de grandezas e medidas.

Leitura e interpretação de imagens.

Coleta e organização de informações.

Criação de registros.

Interpretação e elaboração de listas e tabelas simples.

Valorização da vida e do meio ambiente.

Percepção dos cuidados necessários à preservação da vida e do meio ambiente.

Valorizações atitudinais relacionadas à saúde e ao bem-estar individual e coletivo.

Estabelecimentos de relações entre fenômenos da natureza.

Participação em situações que envolvam a observação e a pesquisa.

Conhecimentos das partes do corpo e de suas funções.

Cuidados com o corpo.

Hábitos de higiene.

Cuidados e prevenção de acidentes.

Exploração do ambiente como forma de se relacionar com as pessoas, estabelecendo contato com objetos diversos, manifestando curiosidade e interesse.

Demonstração de curiosidade pelo mundo social, formulando perguntas e imaginando situações.

Manifestação de opiniões sobre acontecimentos, buscando informações e confrontos de ideias.

Estabelecimento de relações entre o modo de vida de diversos grupos sociais.

Observação e organização de lugares e paisagens.

Ampliação do repertório de conhecimento a respeito do mundo social.

Identidade e autonomia

Participação na resolução de problemas.

Formulação de perguntas.

Levantamento de conclusões e explicações sobre o tema estudado.

Reconhecimento da identidade.

Ampliação das habilidades para a aquisição

da autonomia.

Construção de conceitos a partir das experiências vivenciadas no cotidiano, relacionando-os com a textualidade expressa.

Formação de uma cidadania consciente dos seus direitos e deveres.

Respeito ao próximo, percebendo que somos iguais, apesar das diferenças.

Movimento

Som e silêncio.

Pulso.

Ritmo.

Compasso.

Sons: graves e agudos.

Duração: curto e longo.

Expressão corporal por meio de danças, dramatização, brincadeiras e outros movimentos.

Percepção das sensações, dos limites, das potencialidades, dos sinais vitais e da integridade do próprio corpo.

Manipulação de materiais, objetos, livros e brinquedos para aperfeiçoamento de suas habilidades manuais.

Artes visuais

Espaço.

Superfície.

Volume.

Linha.

Textura.

Forma.

Cor.

Desenho.

Modelagem.

Pintura.

Colagem.

Apreciação textual.

Atividades propostas

projeto_trabalhando a m_fmt Oralização de poesia (autores da literatura infantojuvenil).

Degustação literária, com cenário diferenciado do cotidiano.

Apresentação de estande de livros (parceria com editoras).

Criação do carrinho da imaginação, utilizando material reciclável.

Ilustração de poemas.

Participação em rodas de leitura.

Confecção de livros com as crianças.

Leitura compartilhada.

Sessão historiada (Chapeuzinho Vermelho/Os Três Porquinhos/João e Maria, etc.).

Dramatização de fábulas e contos clássicos.

Confecção de mural.

Apresentação de sarau poético.

Apresentação da biografia de Monteiro Lobato.

Conhecimento de alguns autores (Ruth Rocha, Nye Ribeiro, Bartolomeu Campos de Queiroz, Eva Furnari, Ana Maria Machado, Câmara Cascudo, Ziraldo, Roseana Murray e outros).

Leitura de imagens.

Conto e reconto de histórias folclóricas.

Momento da fantasia — criando novas histórias a partir dos relatos das crianças.

Pintura em sucata — ilustração de poesia e fábulas.

Exposição de livros/trabalhos (de pano, papelão, miniaturas, etc.) confeccionados durante o projeto.

Criação de varal literário (colagens, escritas e desenhos das crianças).

Obs.: Em agosto, mês do folclore, foi feita uma feira de artesanato para divulgação de trabalhos realizados pelos pais das crianças.

Metodologia

Este projeto desenvolve-se por meio da interdisciplinaridade e ludicidade, sendo estes realizados com os professores e as crianças nas salas de aula, bem como com a participação de toda a comunidade escolar e os pais. Ele é trabalhado durante todo o mês (iniciou-se em abril), por meio de pesquisas, leituras e releituras, confecção de objetos utilizando materiais recicláveis, construção de livros individuais e coletivos por cada turma, aulas de campo, entrevistas, musicalização, atividades psicomotoras, entre outras ações; com momentos de socialização dos trabalhos escritos e orais para as demais turmas e toda a comunidade. Cada professor escolhe, juntamente com seus alunos, histórias dos mais diversos autores; dentre eles, Monteiro Lobato, Vinicius de Moraes e Ziraldo, trabalhando-as de forma sistemática com toda a turma, buscando aguçar o gosto e o prazer pela leitura. Durante todo o mês, os professores direcionam os eixos temáticos a partir da história escolhida pelo grupo, trabalhando a matemática, a linguagem, o movimento e os demais eixos temáticos interdisciplinarmente.

A cada final de mês, realizaremos a Semana Cultural, ou seja, durante a última semana de cada mês ocorrerão momentos de visitação das crianças e dos pais para a degustação literária, quando cada professora tem um horário para visitar o espaço literário e fazer a degustação de livros, ouvir a contação de história e explorar a exposição de trabalhos feitos por todas as turmas. A contação de história é realizada pelas professoras de sala e professoras de Diversas Linguagens. A cada última quinta-feira e sexta-feira do mês, as turmas apresentarão, no espaço cultural, as histórias, os contos e as poesias trabalhadas, por meio de dramatização, musicalização, danças, etc. Ao percebermos o grande interesse das crianças e dos pais pelo projeto e entendermos que devemos nos envolver e participar ativamente para que as crianças também sejam estimuladas a participarem, criamos o Carro Imaginário, feito com um carro de supermercado e ornamentado com cores alegres, bem como apresentamos (professores e direção) uma peça teatral a cada Semana Cultural.

Cientes da importância de estarmos sempre trabalhando juntos para a comunidade, convidamos a cada mês um grupo local para se apresentar na nossa Semana Cultural, como: grupo de capoeira, coral, contadoras de histórias, músicos e animadores de festas.

Fundamentos epistemológicos

Os princípios teóricos aqui apresentados nortearão nossa pedagogia numa perspectiva de construir e transformar ideias em realidade, fugir do fazer repetitivo e caminhar numa contextualização, complementando a concepção de criança e de pedagogia na Educação Infantil. Desenvolvemos a ação metodológica possuindo princípios norteadores, de acordo com o nosso Projeto Político Pedagógico, pautados no sociointeracionismo e na proposta construtivista, respaldando-nos nos estudiosos Piaget e Vigotsky, bem como nos Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil.

Diante da riqueza e do diversificado leque artístico e cultural que as histórias infantis nos proporcionam, desenvolveremos as atividades propostas de forma interdisciplinar, abrangendo as mais diversas áreas do conhecimento, fazendo, assim, analogia e/ou dicotomia entre o imaginário e o conhecimento de mundo das crianças. Utilizamos as artes cênica, plástica, visual, musical e corporal, explorando as competências de cada criança. De acordo com o RCNEI (1998 – p. 21–22, vol. 01), “As crianças constroem o conhecimento a partir das interações que copiam da realidade. É fruto de um trabalho de significação e ressignificação”. É por acreditar nesse pensamento que, ao se fazer referência a Lev Vigotsky, ressalta-se a importância do social, as trocas entre sujeitos em um espaço historicamente organizado. Para ele, a interação social torna-se o espaço de constituição e desenvolvimento da consciência do ser humano desde que nasce (VIGOTSKY, 1991).

Nesse sentido, o educador priorizará as necessidades das crianças, suas peculiaridades e as brincadeiras, sendo os primeiros recursos no caminho da aprendizagem. Estas, não sendo apenas diversão, mas um momento de criar representações do mundo concreto com finalidade de entendê-lo, assim trabalhando os conceitos de unidade e harmonia na construção do autoconhecimento, tornam ainda melhor a vida em sociedade.

Materiais utilizados

Cartolina, cola, papel ofício, TNT, EVA, barbante, livros infantis do acervo da escola e produzidos pelas crianças e professoras, fantasias, tintas, objetos variados pertencentes à escola como: estantes, almofadas, tapetes, carrinho de supermercado, instrumentos musicais, som, CD, DVD, TV, material de sucata (caixas, tampas de garrafa, potes de iogurte, retalhos de tecido, etc.).

Avaliação

Ao refletir sobre a arte de escrever e ilustrar histórias, o professor prioriza o interativo diálogo entre ele e as crianças ou entre elas mesmas.

As atividades ora propostas neste projeto oportunizam a imaginação e a criatividade das crianças; por isso, a avaliação deve ser feita processualmente, partindo do interesse, da desenvoltura e da participação. A criança se comunica através do seu desenho, dos gestos, da música, do afeto e dos significados que ela já traz do seu mundo fora da escola. Neste projeto, a criança é estimulada a fantasiar e, de acordo com suas possibilidades, mostrará uma ligação com os livros, seja no manuseio, no interesse pelas ilustrações ou mesmo pela contação do professor nas rodas de leitura. O professor registrará passo a passo os resultados obtidos durante as oficinas em sala de aula, nos relatos das crianças e em qualquer outra expressão (artes visuais, musical, oralidade, corporal, etc.).

Culminância

A cada final de mês, os grupos realizarão a exposição das atividades trabalhadas, organizarão o espaço literário e finalizarão com apresentações variadas, como: dramatizações, músicas, brincadeiras, etc.

Considerações finais

Temos obtido um resultado surpreendente, visto que o projeto possibilitou um maior poder de concentração das crianças, interesse pelos assuntos/temas trabalhados, maior autonomia, redução de inibição, melhor relacionamento entre professor e aluno, bem como melhorou consideravelmente o relacionamento entre professores e funcionários da escola, a partir do instante em que todos se envolveram na construção do espaço literário, nas criações com sucatas, na arrumação dos painéis, na arrecadação de sucatas, etc. Cresceu também a confiança dos pais quanto ao compromisso e trabalho da nossa instituição, da mesma forma que o projeto os aproximou ainda mais do contexto escolar. Eles se emocionam, sorriem, choram, se encantam quando veem seus filhos explanando todo o conhecimento adquirido. É muito gratificante o resultado a cada última semana do mês. São momentos que nos enchem de orgulho, alegria, satisfação, pois é o resultado de todo um trabalho, trabalho este muito árduo, cansativo, mas que nos faz ver que vale a pena lutarmos pela educação de qualidade quando vemos o crescimento, a evolução de cada criança.

Projeto da: Prefeitura Municipal de Natal – Secretaria Municipal de Educação; Departamento de Educação Infantil – Cmei, Francisca Célia Martins de Souza

Coordenadora do projeto:

Danielle Christine de A. Queiroz Cunha

Equipe de professores inseridos no projeto:

Ana Maria de Oliveira; Diégia Damasceno Sobral;

Ednah Bezerra de L. S. de Souza; Francisca Ana de Melo; Gidália Ferreira de A. Correia; Josefa Alexandra Lopes; Katiene Oliveira de Lima; Maria Antônia Bezerra da Silva; Maria da Conceição P. de Castro; Maria de Fátima Xavier Penha; Maria Leidimar Lima da Silveira; Maria Sandra Pereira de Medeiros; Micarla Alves de Lima; Michelle Bezerra de Sousa; Regina Celi Bezerra da Silva; Tânia Bico dos Santos; Viviane Aparecida Lima Souza.

Referências bibliográficas

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Secretaria de Educação Fundamental. 1v. Brasília, 1998.

NATAL, Secretaria Municipal de Educação. Referenciais Curriculares para a Educação Infantil. Margarete Ferreira do Vale Sousa; Maria Teresa Moraes (Orgs.). Natal: Secretaria Municipal de Educação, 2008.

PIAGET, J. Os Estágios do Desenvolvimento Intelectual da Criança e do Adolescente. Rio de Janeiro: Forense, 1972.

______. A Linguagem e o Pensamento da Criança. Trad. Manuel Campos. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

VIGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1934/1996.

cubos