Edição 87

Como mãe, como educadora, como cidadã

Eu estou quase acreditando

Zeneide Silva

imagem_22

Há alguns momentos de nossa vida que precisamos parar e refletir um pouco sobre nossa existência na Terra, já que sabemos que estamos aqui por pouco tempo, pouco tempo mesmo. Assim, eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende.

Durante essa parada, é importante a reflexão: será que estou realmente cumprindo minha missão? Então, pensei numa imagem que algumas pessoas têm a meu respeito. Elas dizem: “Zeneide é tão boa, mas ela realmente é boa, é tão boa que não presta, vai para o céu direto (com tripa e tudo)”.

Como escuto bastante tais afirmativas, eu estou quase acreditando que sou boa.

Mas o que é ser bom?

Ser bom é ser humano, fazer o bem, praticar gestos de bondade cotidianamente, até a conclusão de nossa trajetória terrena. Pois toda pessoa, em seu processo de humanização, é chamada a ser boa.

Ser bom é investir na vida dos outros, quando essas pessoas estão precisando de socorro.

A bondade é fruto do Espírito de Deus, e nós devemos e podemos demonstrar essa bondade na nossa vida, na nossa família, no nosso trabalho, na nossa escola, na igreja e no mundo.

Será que estamos investindo na vida de alguém? Talvez exista alguém que esteja precisando de outro alguém neste momento. E este alguém pode ser você.

Nós, todavia, esquecemo-nos de que as pessoas estão perto da gente, às vezes, esperando algo de nossa parte. E faltam em nós, diversas vezes, gestos, gestos práticos de bondade que farão toda a diferença na vida dessas pessoas.

As pessoas nunca se esquecem daqueles que as ajudam, daqueles que são bons, daqueles que alimentam este fruto do Espírito: a bondade.
Pense em alguém que precisa ser abençoado, invista com bondade na vida dessa pessoa e você refletirá esse gesto de bondade em sua vida, pois a bondade é uma atitude que precisa ser cultivada.

E, quando pensar em mim, pense que sou uma pessoa humana, além de ser cristã, seguidora do mestre da bondade infinita.

A Igreja Católica consagrou este ano como o ano santo da misericórdia, tempo propício para reavivar dentro de nós o espírito da bondade a partir da observância fiel de algumas atitudes conhecidas como obras de misericórdia: dar de comer a quem tem fome, dar de beber a quem tem sede, vestir os nus, dar pousada aos peregrinos, assistir aos enfermos, visitar os presos e enterrar os mortos, além de saber aconselhar a quem precisa, consolar os que choram e ser paciente com todos.

 

cubos