Edição 60

Projeto Didático

Eu respeito. E você?

Colégio Santa Emília – PE

Tempo de duração

O projeto iniciou no mês de agosto, quando vivenciamos a Semana Estadual de Pessoas com Deficiência. O término está previsto para o mês de novembro, quando acontecerá a culminância, com os alunos expondo seus trabalhos na Expoc.

Objetivos

Criar uma cultura de respeito às pessoas com deficiência.

Criar, no ambiente escolar, acessibilidade para pessoas com deficiência auditiva e visual, sinalizando as seções da instituição.

Mobilizar os alunos a realizarem atividades de pesquisa referentes ao assunto abordado.

Representar, através de uma história em quadrinhos, situações vivenciadas no dia a dia de um deficiente (preconceito, falta de acessibilidade, superação, conquistas, etc.).

Conhecer a Linguagem Brasileira de Sinais (Libras) e o sistema braile.

Reconhecer a importância da Libras na comunicação usual entre os surdos e os ouvintes.

Registrar informações utilizando procedimentos de escrita, como copiar trecho pelo qual haja interesse em conversar; fazer anotações, esquemas, sínteses, etc.

Realizar observações no bairro com o objetivo de registrar a existência de acessibilidade para as pessoas com deficiência.

Desenvolver a escrita, realizando oficinas para produção de textos.

Desenvolver o senso crítico, organizando debates e trabalhos em grupo e individuais.

Observar, no ambiente, produtos, materiais, entre outros, que possibilitem a comunicação entre o meio e a pessoa com deficiência.

Conscientizar os alunos de que as pessoas com deficiência são cidadãos que têm seus direitos, tomam suas próprias decisões e assumem as responsabilidades pelas escolhas que fazem.

Justificativa

O assunto que abordaremos neste projeto veio como um presente. Primeiro, porque nossa escola é inclusiva e convivemos com alunos que chamamos carinhosamente de amigos especiais; e, segundo, porque, em nosso convívio, deparamo-nos com várias situações em que, muitas vezes, paramos para refletir se estamos, como cidadãos, preparados para lidar com a deficiência da melhor forma possível, sem nos constranger e, principalmente, sem constranger as pessoas com deficiência. Por isso, iremos abranger o assunto de forma que possamos despertar na sociedade a consciência do respeito dos direitos dessas pessoas, promovendo a sua inclusão social.

Metodologia

Sinalização de cada ambiente da escola com sistema braile e Libras.

Apresentação de peças teatrais abordando o tema.

Coleta de dados em jornais, revistas e Internet para registro dos conteúdos propostos em sala de aula.

Apresentação dos trabalhos em grupo, desenvolvendo a oralidade.

Confecção do quadro com o nome de cada aluno em Libras.

Produção de textos com os temas: O Surgimento do Sistema Braile e Nós Falamos com as Mãos.

Relatos de experiências e entrevistas com pessoas com deficiência.

Utilização de dicionários para melhor compreensão dos textos.

Confecção da cela braile (com sucata) para desenvolver a escrita.

Oficina de história em quadrinhos (elaboração de um livro).

Visita ao Instituto de Cegos de Pernambuco e ao Centro Suvag de Pernambuco.

Palestra com a professora brailista Patrícia, abordando o assunto braile.

Assistir ao filme sobre a vida de Ludwig Van Beethoven, que mostra a sua gradativa perda de audição, o que não o impediu de ser um dos maiores gênios da música.

Oficina para desenvolver a comunicação básica na linguagem de sinais: Libras.

Leitura do paradidático Nós Falamos com as Mãos (Editora Scipione).

Avaliação

A avaliação será realizada através do desempenho participativo dos alunos nas atividades propostas pelo professor em sala e em aulas extraclasse.

Pontualidade na entrega das pesquisas e socialização das mesmas através de apresentações de trabalhos em sala e na culminância do projeto: Expoc.

Competência para trabalhar em grupo.

Oralidade.

cubos