Edição 19

Pintando o 7

Leonardo da Vinci

Contexto Histórico
A partir do século XV, as conquistas marítimas e o contato mercantil com a Ásia ampliaram o comércio e o consumo de novos produtos na Europa. Muitos comerciantes europeus fizeram riquezas e acumularam fortunas. Esses novos ricos (burgueses), os governantes e o clero passaram a investir em artes, financiando projetos artísticos e dando proteção aos artistas e intelectuais da época. O mecenato, nome dado a essa ajuda, tinha por objetivo tornar mais populares os governantes e comerciantes nas regiões onde atuavam. As famílias nobres e burguesas encomendavam pinturas (retratos) e esculturas junto aos artistas.

Cidades como Veneza, Florença e Gênova tiveram um expressivo movimento artístico e intelectual. A Itália passou a ser conhecida como o berço do Renascimento. Leonardo da Vinci é uma grande expressão desse movimento artístico e, ao lado de Michelangelo, torna-se o maior nome do Renascimento.

Vida e Obra
Foi na Itália, em 15 de abril de 1452, na cidade de Vinci, próximo a Florença, que nasceu o pintor, escultor, arquiteto, engenheiro, cientista, inventor e escritor Leonardo da Vinci. Toda a história da pintura que se segue após Leonardo da Vinci sofreu sua influência. Leonardo da Vinci, através das suas obras, coloca o homem no centro da criação, superando o pensamento medieval, dominado pelos valores religiosos. Suas idéias científicas quase sempre ficaram escondidas em cadernos de anotações, e foi como artista que ele obteve reconhecimento de seus contemporâneos. Em 1466, torna-se aprendiz do pintor e escultor florentino Andrea del Verrocchio. Entre 1495 e 1497, pinta, em Milão, o afresco A Última Ceia e arquiteta um projeto urbanístico para a cidade, com rede de canais, um sistema de abastecimento de água e uma rede de esgotos. Nessa época, estuda perspectiva, óptica, proporções e anatomia.

Entre 1503 e 1506, já de volta a Florença, pinta Mona Lisa, sua obra mais famosa. Nos anos de 1506 a 1516, vive entre Milão e Roma. Nesse período, entra em conflito e intrigas com o Vaticano e alia-se à Corte do rei francês Francisco I.

É nessa época que Leonardo da Vinci realiza estudos importantes, antecipando muitas descobertas modernas. No campo científico, ele cria e projeta a mais fantástica coleção de invenções e soluções de engenharia já imaginadas por um único homem: esboços de helicópteros, submarinos, pára-quedas, veículos, embarcações, máquinas voadoras, turbinas, teares, canhões, pontes, carros de combate, entre outros.

Escreve um tratado: Trattato della Pittura, no qual defende a supremacia da pintura sobre todas as outras artes, por ser a única indispensável à exploração científica da natureza, segundo o seu pensamento. Nesse tratado, Leonardo da Vinci aconselha os pintores a não se limitarem à expressão estática do ser humano.

O gênio Leonardo Da Vinci escreveu e desenhou sobre tudo o que fazia parte daquela época. Existem cerca de seis mil páginas de manuscritos deixadas por ele, nas quais se podem encontrar estudos de praticamente todas as áreas do saber: geometria, anatomia, geologia, botânica, astronomia, óptica, mecânica, arquitetura, projetos bélicos, etc. Muitas de suas obras perderam-se ou foram destruídas e outras ficaram inacabadas.

Gastava muitas de suas noites dissecando cadáveres, o que lhe servia de aprimoramento aos seus desenhos anatômicos, considerados superiores até aos do célebre Andreas Vesalius, o grande anatomista do Renascimento.

Em 1516, viajou para a França e lá permaneceu até falecer, em 1519. Pouco tempo antes de morrer, no castelo de Cloux, perto de Amboise, na França, nomeou seu herdeiro o discípulo Francisco Melzi, que preservou cuidadosamente todo o legado artístico, científico e literário deixado pelo seu mestre. Mas, após a morte de Francisco Melzi, esses manuscritos dispersaram-se, e só foi recuperada uma terça parte da grande obra desse mestre renascentista que foi Leonardo da Vinci.

Sites consultados:

http://planeta.Terra.com.br/arte/mundoantigo/vinci/

http://www.fortunecity.com/tatooine/servalan/272/leonardo.htm

Referência Bibliográfica
. Almanaque Abril. São Paulo, 1997.
. Nova Enciclopédia Barsa. Rio de Janeiro: Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda. 1997. Vol. 9. p. 1 e 2.
. Revista Superinteressante. São Paulo, Abril, n° 1, out. 1997, p. 85 e 86.

cubos