Edição 89

Projeto Didático

O cinema como instrumento de sensibilização

Colégio Imaculada Conceição – Moreno (PE)

img_20160322_144938727_opt

Introdução

Desde a sua criação, o cinema traduz, problematiza e provoca reflexão sobre diversos temas sociais. Ao longo dos anos, a sétima arte passou a ser utilizada, além de entretenimento, como fonte de pesquisa em diversas áreas do conhecimento. Com esse objetivo, os educadores utilizam, enquanto ferramenta pedagógica, inúmeros filmes em suas aulas. Tendo em vista a necessidade de pensar os usos da cinematografia e a própria arte de elaborar e executar um filme, propomos um projeto com abordagem de temas transversais a ser aplicado com as turmas do 9º ano do Ensino Fundamental II.

Justificativa

Ao estudarmos, na disciplina de História, as transformações ocorridas na Europa em meados do século XIX e início do século XX, deparamo-nos com uma efervescência cultural e uma mudança na percepção das sociedades industrializadas — com o que se convencionou chamar de Segunda Revolução Industrial. Em larga medida, essa dinâmica provocou uma inquietação no campo das artes que pôde ser percebida nas expressões da Belle Époque através da art nouveau, do impressionismo, do cubismo, da literatura e do cinema.

img_20160322_144938729_opt

No que se refere ao ensino de História, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) sugerem o desenvolvimento de atividades que privilegiem diferentes fontes de informação (jornais, livros, revistas, fotografia, filmes, etc.). Estas, além de recursos didáticos, também podem ser pensadas enquanto fontes do conhecimento histórico, proporcionando o debate sobre diversos temas.

O projeto consiste na produção de curtas-metragens produzidos pelos próprios discentes, no bojo de debates em sala de aula sobre a criação do cinema, suas transformações e seus impactos culturais. Os alunos poderão expressar suas visões de mundo a respeito de temas contemporâneos e transversais como igualdade racial, pluralidade cultural, gênero, meio ambiente, saúde, violência, bullying e outros.

Objetivo geral

Proporcionar uma compreensão ampla do universo cinematográfico, promovendo a sensibilização dos discentes para os temas atuais e desenvolvendo suas habilidades críticas através da elaboração, produção e execução de curtas-metragens.

Objetivos específicos

• Ampliar o entendimento dos alunos do 9º ano do Ensino Fundamental II sobre o conteúdo trabalhado nas aulas de História.

• Desenvolver as habilidades críticas dos discentes dentro de seus universos simbólicos.

• Promover a sociabilidade por meio do trabalho em equipe.

• Sensibilizar a comunidade escolar com a exibição dos filmes produzidos, provocando o debate sobre os temas transversais que serão abordados.

Metodologia

O projeto tem como proposta estrutural a execução em três etapas.

Na primeira etapa, são dados aos alunos os subsídios teóricos sobre a história do cinema, tendo como ponto de partida a criação do cinematógrafo pelos irmãos Lumière, em 1895. Os alunos passam a ter acesso às primeiras produções cinematográficas, a exemplo dos filmes Chegada do Trem à Estação Ciotat (1895); Empregados Deixando a Fábrica Lumière (1895) – ambos dos irmãos Lumière; e Viagem à Lua (1902), de George Méliès. Após a exibição, os debates giram em torno do imaginário das sociedades industrializadas e dos signos da modernidade refletidos nas obras.

img_20160413_143548000_opt

Na segunda etapa, os alunos têm contato com a produção técnica por meio das orientações metodológicas do cinema. Em duas aulas é abordado o passo a passo da produção de um filme, desde a construção do roteiro até o uso das imagens para se contar uma história, passando pela importância da narrativa, edição de cenas, sonoplastia, trilha sonora, créditos, etc. Ao final dessa etapa, é exibido o curta Cores e Botas (2009), de Juliana Vicente, como uma forma de ilustrar as explanações e debater o tema transversal da igualdade racial.

Na terceira e última etapa do projeto, os alunos são divididos em grupos e recebem as sugestões dos temas para que desenvolvam, de forma livre e criativa, os curtas-metragens, sejam eles ficções, sejam documentários. As imagens são captadas por dispositivos móveis dos próprios alunos (tablets, celulares, etc.). O argumento deverá, de alguma forma, fazer alusão aos temas transversais propostos. É estipulado um prazo de dois meses para a apresentação do resultado final dos filmes. Durante esse período, semanalmente uma parcela do tempo de aula é dedicada para a orientação e o acompanhamento dos trabalhos em curso sob a supervisão do professor responsável. O projeto tem sua culminância com a exibição dos filmes em uma mostra de curtas-metragens realizada na escola. Após as exibições, há debates com os alunos sobre os temas abordados e todo o processo de criação.

Coordenador do projeto: José Rodrigo de Araújo Silva – Mestre em História pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Graduado em História pela Universidade de Pernambuco (UPE).
E-mail: rodrigope81@hotmail.com

Equipe de apoio: Elis Couto (coordenadora pedagógica),
Isabelle Freitas (coordenadora pedagógica),
Kátia Monte (educadora), Eliane Couto (gestora).

Referências

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: história / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC / SEF, 1998.

NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema em sala de aula. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

KARNAL, Leandro (Org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, 2005.

PINSKY, Carla Bassanezi. (Org.). Fontes históricas. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

FANTIN, Mônica. Mídia-Educação e cinema na escola. Revista Teias: Rio de Janeiro, ano 8, nº 15-16, p. 1-13. Jan./dez. 2007.

JULLIER, Laurent; MARIE, Michel. Lendo as imagens do cinema. Trad. Magda Lopes. São Paulo: Senac, 2009.

FABRIS, E.H. Cinema e educação: um caminho metodológico. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 117-134, jan./jun. 2008.

cubos