Edição 56

Mensagem Profética

O segredo de vivenciar as emoções

Elizete Malafaia

img-1713-01

Para sermos pessoas autênticas e termos uma autoestima elevada, precisamos identificar e vivenciar as nossas emoções de uma forma saudável. Esse é outro segredo que a Palavra de Deus nos revela em Tiago 5:13 — “Está alguém contente? Cante louvores” —, em Romanos 12:15 — “Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram” — e em Eclesiastes 3:4 — “[há] tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de saltar”.

Isso fala de saúde emocional. É preciso saber vivenciar cada emoção a seu tempo, bem como falar sobre elas, pois fazem parte da nossa estrutura.

Contudo, há pessoas que fingem indiferença a tudo, especialmente à dor. Elas costumam sofrer caladas. Escondem e reprimem seus sentimentos o tempo todo. Elas não têm o hábito de falar sobre o que sentem, não partilham nada com o cônjuge nem com um amigo mais chegado, não escrevem. E, mesmo que estejam vivendo uma crise grave, não procuram um aconselhamento do pastor nem um grupo de apoio com o qual possam se abrir e conversar.

As pessoas que não falam sobre seus sentimentos, que não se expressam, podem adoecer, adquirir gastrite, úlcera, dores lombares e, com o tempo, a repressão desses sentimentos pode desembocar em depressão e até em um câncer. Às vezes, são os pecados que as pessoas guardam e vão remoendo que interferem na sua área espiritual e impedem as bênçãos de Deus em todas as outras áreas. O que elas precisam fazer é confessar o seu erro, pedir perdão e receber a graça divina e a restauração de que precisam para viver com propósito na presença de Deus.

O Senhor não nos estimula a fugir do problema, mas a reconhecê-lo, ainda que traga dor, a lamentar-nos, a chorar, a buscar o perdão e a cura. É isso que é dito em Tiago 4:9,10a: “Senti as vossas misérias e lamentai e chorai; converta-se o vosso riso em pranto e o vosso gozo em tristeza. Humilhai-vos perante o Senhor”. Mas, na parte b do versículo 10, está a consequência maravilhosa disso: “[...] e ele vos exaltará”.

Há um tempo de chorar e há um tempo de sorrir. É importante viver cada momento sob a graça de Deus.

Livrando-se da raiva e do medo

img-1713-02Para nós, é bem mais fácil lidar com as emoções positivas — a alegria, o amor, o contentamento — do que com as negativas, como a raiva e o medo. Mas precisamos aprender, pois elas fazem parte da nossa “paleta” de emoções. Precisamos vivenciá-las, reconhecê-las e dar a devida atenção às mesmas sem sermos dominados por elas.

As pessoas dirigidas pela raiva, por exemplo, vivem apegadas às mágoas, sem jamais superá-las. Em vez de aliviarem a dor por meio do perdão, estão continuamente revivendo o fato em sua mente. Fecham-se e interiorizam esse sentimento. Resultado: acabam autodestruindo-se nas áreas espiritual, emocional e física.

Isso porque a raiva, quando não é canalizada para uma mudança benéfica, sempre machuca mais quem a sente do que a pessoa que lhe trouxe tal indignação. Devemos aprender a lidar de modo saudável com a raiva, buscando em Deus o perdão para nós mesmos pelos erros cometidos no passado e para quem nos feriu.

Para que o sol não se ponha sob a nossa ira, devemos resolver sempre a questão da melhor maneira, o mais rápido possível, fazendo as mudanças necessárias e praticando o bem, como nos recomendou Paulo: “Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem” (Rm 12:21).

Já os medos geralmente são resultado de experiências traumáticas, expectativas ilusórias, crescimento em um lar extremamente severo ou predisposição genética. Independentemente do que tenha causado tal situação, as pessoas dirigidas pelo medo perdem com frequência grandes oportunidades em sua vida. E, assim, infelizmente não têm experiências com o Senhor, deixam de amadurecer e crescer espiritualmente, porque limitam a sua vida de fé.

Existem diversas pessoas que limitam o seu potencial porque são dominadas pelo medo. Outras estão perdendo ou jogando fora as melhores oportunidades simplesmente porque o medo as impede de correr riscos.

As medrosas devem desenvolver uma vida diária de fé para que atinjam os seus projetos, os seus sonhos e alcancem o seu foco. Devem aceitar o amor de Deus como uma realidade que lhes assegura aceitação, proteção, segurança e amparo. Devem lembrar que: “No amor, não há medo; o amor que é totalmente verdadeiro afasta o medo” (1 Jo 4:18). Devem confiar em Deus e em Seu gracioso amor.

Nenhum ódio, rancor ou medo deve dominar o nosso pensamento, senão vamos adoecer, e não é isso que Deus quer para a nossa vida!

“Além disso, também não devemos deixar nenhuma raiz de amargura brotar em nosso coração; por ela, contaminamos a nós mesmos e aos que estão à nossa volta” (Hb 12:15).

Perdoemos, amemos e ajudemos o próximo! Lancemos fora todo medo exagerado, toda insegurança, toda amargura e peçamos ao Senhor para colocar em nossa mente bons pensamentos para aumentar a nossa fé!

Como Paulo disse em Filipenses 4:8: “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama [...] nisso pensai”.

Buscando ajuda

Paulo disse aos irmãos em Cristo que viviam em Tessalônica: “Pedimos a vocês, irmãos, que aconselhem com firmeza os preguiçosos, deem coragem aos tímidos, ajudem os fracos na fé e tenham paciência com todos” (1 Ts 5:14).

Normalmente, os tímidos e os fracos na fé acham que seu problema é o pior de todos ou que as pessoas vão rir deles e, muitas vezes, ao falar, descobrem que ficaram remoendo as dores enquanto outros sofriam muito mais. Eles devem aprender a sair do seu mundinho, da casca de proteção, e a buscar ajuda.

Em 1 Samuel 1:2, vemos a história de uma mulher que mudou a sua vida quando resolveu se abrir para Deus: Ana. Quando ela decidiu ir ao templo ajoelhar-se diante do altar e abrir seu coração, o Senhor a curou.

Ana não aguentava mais ser escarnecida por Penina, a concubina de seu marido. Ana estava sendo humilhada porque não tinha filhos e canalizava a sua raiva para si mesma. Talvez estivesse entrando numa depressão. Mas ela se lembrou de que havia alguém que podia ouvi-la e foi ao lugar certo — o templo — abrir seu coração, derramando-se diante do Senhor, e obteve a cura do corpo, da alma e do espírito.

A partir daquele momento, ela se levantou; o semblante de Ana não era mais o mesmo. Por quê? Porque ela falou, desabafou seus sentimentos, e todo o medo, toda a insegurança, todo o ódio, toda a amargura se dissiparam. Deus pôde agir.

Naquele momento de desabafo, Ana se esvaziou dos sentimentos de inferioridade, de desprezo e de amargura, então o Espírito do Senhor entrou na vida dela, e ela não foi mais a mesma. Ana teve um filho, Samuel, e o ofereceu ao Senhor. Ela se alegrou em Deus e O louvou em agradecimento, reconhecendo Sua soberania e Seu poder:

O meu coração exulta no Senhor, o meu poder está exaltado no Senhor; a minha boca se dilatou sobre os meus inimigos porquanto me alegro na tua salvação [...] O Senhor é o que tira a vida e a dá; faz descer à sepultura e faz tornar a subir dela. O Senhor empobrece e enriquece; abaixa e também exalta. Levanta o pobre do pó e, desde o esterco, exalta o necessitado para o fazer assentar entre os príncipes, para o fazer herdar o trono de glória, porque do Senhor são os alicerces da terra, e assentou sobre eles o mundo. Os pés dos seus santos guardará, porém os ímpios ficarão mudos nas trevas, porque o homem não prevalecerá pela força (1 Samuel 2:1, 6–9).

Talvez você esteja passando por um momento difícil, uma doença, uma adversidade e pense: “Senhor, será que tu me amas mesmo? Por que permites que eu sofra há tantos anos com essa enfermidade ou com meu marido me traindo ou com meu filho nas drogas, com essa dificuldade que tenho para perdoar? Não sou objeto do teu amor, Deus? Não sou especial para ti? Não me escolheste? Por que tanta adversidade?”.

Se esse é seu caso, não desanime agora. Deus conhece a sua estrutura melhor do que ninguém e sabe até onde você pode ser provado. Na hora certa, no momento exato, Ele proverá o milagre; restaurará o seu corpo, o seu casamento; libertará seu filho e o transformará em um homem de Deus.

A tribulação produz a paciência, a experiência, e esta, a esperança. Noutras palavras, a tribulação faz com que a gente amadureça a nossa fé. Amadurecidos, podemos desfrutar melhor das bênçãos de Deus e ser bênção na vida de outros.

Na hora certa, o milagre chega. Não usemos nossa boca para murmurar contra o momento difícil nem para maldizer o Senhor. Contemos para Deus onde dói. Choremos, desabafemos, vivenciemos a dor. Falemos sobre nossos sentimentos com alguém. Peçamos em oração. Busquemos ajuda, conselho. Se não houver ninguém confiável para conversar, escrevamos. Extravasemos nossos sentimentos, e muita coisa vai mudar em nossa vida em nome de Jesus. A vitória virá.

Vivenciando o dia bom e o dia mau

A história de Jó é tremenda. Ele era um homem riquíssimo no Oriente. Um dia, com permissão de Deus, ele perde seus rebanhos, seus servos, seus filhos e é acometido por uma chaga maligna dos pés à cabeça. Em meio ao seu desespero, a esposa de Jó aconselha que ele amaldiçoe a Deus e morra, mas ele dá uma tremenda lição de fé e fidelidade ao Senhor ao propor: “Recebemos o bem de Deus e não receberíamos o mal?” (Jó 2:10b). Em outras palavras, ele disse: “Soubemos viver o dia bom, mas agora vamos ter de aprender a vivenciar o dia mau, na presença do Senhor. Não vou negá-lo”.

A palavra de Deus nos ensina a vivenciar o dia bom e o dia mau. É o que está escrito em Romanos 12:15 — “Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram” — e em Tiago 5:13,14 — “Se algum de vocês está sofrendo, ore. Se alguém está contente, cante hinos de agradecimento. Se algum de vocês estiver doente, que chame os presbíteros da igreja para que façam oração e ponham azeite na cabeça dessa pessoa em nome do Senhor”.

A igreja do Senhor é um hospital, um centro de reabilitação. É o Corpo de Cristo, o organismo espiritual por meio do qual Ele opera falando, curando, salvando, libertando. Recorra a ela. Peça ajuda. Você não está sozinho. Deus o ama. Você é especialíssimo para Ele! Você tem valor! E não deixe que as circunstâncias interfiram no seu humor, na sua fé. Esse é o grande segredo da vitória na vida cristã!

cubos