Edição 25

Pintando o 7

Origami

Em japonês, ori significa dobrar, e kami significa papel. Na pronúncia, a junção das duas palavras faz o K ser substituído por G, e o resultado é original: a técnica milenar de dobradura com a qual se obtém formas tridimensionais. No Japão, essa arte tradicional é transmitida até hoje, de pai para filho, e faz parte do currículo nas escolas do país desde 1876. Na verdade, ninguém sabe ao certo quando surgiu o origami. Talvez ele seja tão antigo quanto a primeira folha de papel, originária da China. Sabe-se, no entanto, que o aprimoramento da técnica foi se desenvolvendo no Japão, a partir das dobras de papel e tecido para a confecção de moldes de quimonos. A característica mais marcante do origami é a delicadeza das formas, algumas até com significado especial na cultura oriental.
Com uma simples dobradura, pode-se atrair crianças de todas as idades para a leitura, para a escrita, para a música, para dramatizações e uma infinidade de conhecimentos. Porém, é importante que o professor se sinta seguro não só para fazer a figura de papel, mas também para improvisar alguma atividade com uma determinada dobradura.
Dobrar, vincar, encaixar, desdobrar, folhear (como se folheia um livro), girar (como os ponteiros do relógio), puxar, inflar, assoprar, todas essas ações fazem parte do passo-a-passo de um origami. E o resultado é uma forma tridimensional, capaz de se movimentar com um simples gesto e até fazer ruídos.
O papel mais indicado para fazer dobradura é o papel-espelho, que tem uma das faces colorida e o verso bem branco.
Dependendo da região onde você mora, o papel-espelho (conhecido assim em São Paulo) pode ter um nome diferente: no Norte e no Nordeste, ele é conhecido por papel lustro ou lustroso; em Minas Gerais, por papel fantasia; no Rio de Janeiro, por papel glacê; em Niterói, por silhueta; em Santa Catarina, por papel encerado; e no Rio Grande do Sul, por papel gessado.
O importante é que o papel tenha um bom vinco, ou seja, que dobre bem. Para o aprendizado, vale dobrar os mais variados tipos de papel: os de computador, papéis de revistas, de presente, etc.

Regras fundamentais para facilitar a sua atividade com as Dobraduras Divertidas:

- Faça as suas atividades sobre uma superfície lisa e plana.
- Escolha o papel certo e corte-o no tamanho exato, sem amassados.
- Faça as dobras com muito cuidado. Passe a unha do polegar ou uma régua ao longo de cada dobra, para acentuar o vinco.
- Siga as instruções escritas, passo a passo, na seqüência em que se apresentam.
- Se algum modelo não der certo, não desista: verifique e siga as instruções corretamente, com todo o cuidado.
- Lembre-se de que, quanto mais bem-feita a dobra, melhor ficará o aspecto do modelo escolhido.

origami

Repita nas outras pontas e vire.

Fonte: FORNAZIERI, Wanda Andrade da Silva.
Sala de Aula Construtivista. Uberlândia Edilit: MG. P. 148.

cubos