Edição 40

Projeto Didático

Pioneirismo

Apresentação

Os novos rumos da educação dos estudos de Ciências propõem que o aluno tenha condições de compreender que o contexto social, político e econômico está diretamente ligado ao ambiente em que vivemos.

Portanto, não queremos ensinar Ciências com o objetivo de formar cientistas, mas, sim, de educar cidadãos conscientes, tratando de assuntos de interesse geral e de temas atualizados em Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, oferecendo subsídios para que transformem os conhecimentos adquiridos em hábitos.

Justificativa

É evidente que um indivíduo mais bem informado terá melhores condições de exercer seu papel de agente social.

Não nos basta mais transmitir e acumular informações diante da necessidade urgente de ações. O aprendizado deve servir de base para que o aprendiz seja instigado a buscar soluções que viabilizem um mundo melhor.

Objetivos

Promover a reflexão dos alunos acerca da responsabilidade de cada indivíduo para o bem-estar comum.

Temas estudados

A água – Falamos da importância da água para nós, mostrando que, além de ser utilizada para beber, lavar, cozinhar, etc., ela também serve como “pista” para os barcos, navios e submarinos e para realizar alguns trabalhos para os seres humanos, tais como moer grãos ou girar uma turbina, produzindo energia elétrica. Nessa área, temos experimentos relacionados a conteúdos, como flutuação, densidade e vários outros.

Manguezais – Conhecimento do ecossistema manguezal: fauna, flora, poluição do local e contribuição socioeconômica, tipos de mangue, preservação.

Reciclagem do lixo – O que é lixo, tipos de lixo, como reciclá-lo, por que reciclar, tempo de decomposição de cada material, o lixo como fonte de renda, preservação ambiental.

Atividades desenvolvidas

  • Visitas monitoradas ao Espaço Ciência.
  • Pesquisas em livros, revistas e jornais.
  • Levantamentos estatísticos, geográficos, históricos de cada tema.
  • Coleta de dados.
  • Observações pessoais, desenvolvimento textual e interpretação através de desenhos.
  • Apresentação de Rede do Saber por profissionais especializados em cada área.
  • Confecção de portfólio com relatos de todas as etapas desenvolvidas.
  • Aulas extras sobre o tema, com monitores especialistas contratados para esse fim.
  • Contextualizações do tema com a situação local, envolvendo comunidade e ambiente.
  • Trocas de experiências.
  • Oficinas.
  • Laboratórios experimentais.
  • Relatos de experiências.

Avaliação específica

Culminância: Feira de Ciências.

projeto1Avaliação geral

Observações, durante todo o processo, das atitudes adquiridas após a aquisição de cada conhecimento.

Considerações finais

Foi gratificante vivenciar com as crianças todo o processo de aprendizado para esta feira. Dia a dia, observávamos o interesse de cada um e as novidades que foram capazes de trazer através das pesquisas, a cada dia, mais aprofundadas.

Chegamos a uma etapa em que não precisávamos mais insistir para que produzissem. Eram os próprios alunos que corriam para a biblioteca ou para o laboratório de informática no horário do recreio, antes de começarem as aulas e depois delas, em busca de mais informações que acrescentassem conhecimentos.

Os professores, ao se cruzarem pela escola ou nas reuniões, apresentavam relatos de satisfação com o andamento dos trabalhos. A troca de conhecimentos entre todos foi de grande contribuição. Mesmo aqueles que não participaram diretamente da Feira (professores da Educação Infantil e do Ensino Fundamental II) arregaçaram as mangas. Houve quem trouxesse livros de que dispunham em casa, aqueles que ofereceram o seu tempo livre para vir contribuir com algum tema que dominavam e até mesmo aqueles que ouviram as explicações dos alunos com o objetivo de avaliá-los e ajudá-los a melhorar o desempenho.

A família também foi imprescindível para garantir que os objetivos fossem atingidos. Pais e mães especialistas em alguns temas realizaram Redes dos Saberes, pesquisaram junto com os seus filhos, empenharam-se na busca de material de pesquisa.

Ficamos satisfeitos com os resultados deste projeto, pioneiro no nosso estado, que se preocupou especificamente com a construção de conhecimentos dos alunos, buscando ferramentas pedagógicas eficazes para garantir o bom andamento de todo o processo.

No modelo tradicional de Feira de Ciências, alunos e professores precisam se preocupar com a decoração do espaço para demonstração, e isso requer tempo, recursos materiais e financeiros para montagem de um ambiente artificial. Aproveitando a estrutura do Espaço Ciência, garantimos a vivência num espaço natural e ao ar livre.

Colégio Madre de Deus
Rua Belmonte, 199 – Boa Viagem – Recife – PE
Fone: (81) 3341-3530
Website: www.colegiomadrededeus.com.br
Webmail: faleconosco@colegiomadrededeus.com.br

Depoimento 1

A feira de conhecimentos do Colégio Madre de Deus, este ano, foi realizada no Espaço Ciência. Um lugar cheio de vida, que transborda curiosidades e, conseqüentemente, aquisição de um conhecimento construído pelos alunos, através da sua vivência e dos experimentos que lá se encontram.

O tema abordado pelos alunos do 5º ano foi água. Pudemos conhecer não só sua importância para o planeta, como também sua função de realizar alguns trabalhos para o homem, como é o caso do monjolo (instrumento usado para triturar grãos).

Vimos como a energia é gerada através da força da água (hidrelétrica) sem poluir a natureza. Os alunos conheceram, através do invento de Arquimedes, como funciona uma caixa-d’água, como podemos ver o nosso peso em água através da balança, etc.

O fato de pegar e manusear o objeto do conhecimento fez com que os alunos superassem as expectativas dos professores, pois exigiam conhecimentos nas áreas de Física e Química, e eles mostraram que a participação na produção do conhecimento é mais significativa do que, simplesmente, reproduzi-la.

Carmem Patrícia – professora

Depoimento 2

Durante séculos, feira de ciências foi sinônimo de decorar nomes, datas e fórmulas, afinal eram esses os conhecimentos sempre exigidos como resultado do processo de aprendizagem das crianças.

Nós que fazemos a equipe Madre de Deus reconhecemos a importância da criança vivenciar para aprender prazerosamente. Explorando o concreto, fazemos com que determinada informação seja guardada significativamente.

Através da exploração do Espaço Ciência, criamos situações interessantes em que o aluno interagiu com o objeto de estudo, o manguezal, fugindo das decorebas. Fizemos com que associassem o aprendizado ao prazer de transmitir com segurança o que aprenderam com significado.

Ana Elisabeth Barros de Lima – professora do 3º ano

Depoimento 3

A contribuição que o Colégio Madre de Deus proporcionou à comunidade científica de Pernambuco através do conhecimento tecnológico da Ciência, levando seus alunos a disseminarem o que aprenderam pelos visitantes, fez com que as crianças detivessem esse saber, enriquecendo e facilitando a escolha de uma profissão futura.

Essa feira deverá ser divulgada às instituições científicas e aos órgãos governamentais para que haja maior investimento e divulgação da Ciência em Pernambuco.

Cida Morais – mãe do aluno Gabriel Morais – 5° ano

Depoimento 4

Espaço de conhecimento, lazer, cultura e muito verde. Espaço de renovação, de criatividade, de aprender com grandes gênios do passado.

Parabéns ao colégio pela iniciativa, foi muito rico o tempo investido. Tenho certeza de que foi estimulador também para esses nossos pequenos grandes cientistas.

Marisa Freitas – mãe da aluna Júlia Freitas

Depoimento 5

No Espaço Ciência, aprendemos muitas coisas sobre percepção, água, energia, entre outros assuntos. Isso nos prepara para o futuro.

O Espaço Ciência nos fez pensar mais em preservar a água, porque, se ela não existir mais, nós não sobreviveremos.

A água pode substituir o trabalho humano, nos ajudar no nosso dia-a-dia, nos fornecer energia e muitas outras coisas.

Foram tantos os conhecimentos que adquiri nesse passeio que valeu a pena ter ido e participado.
Então, vamos preservar a água para que não falte energia e, assim, estaremos ajudando o nosso ambiente.

Júlia Queiroz – aluna do 5º ano

Depoimento 6

Ser uma monitora do Espaço Ciência foi uma experiência ótima e, com certeza, única. Esse lugar é muito agradável, pois respiramos ar puro.

O mais importante foi que não fomos cobrados a decorar o texto, e sim a explicar com as nossas palavras.

Laura Góes Campos – aluna do 4º ano

Depoimento 7

A feira de ciências foi muito boa. Nós nos sentimos o “máximo” por ter apresentado a feira pela primeira vez lá no Espaço Ciências. Nós ensinamos para várias pessoas o que sabíamos.

Guilherme e Pedro – alunos do 2º ano

projeto2Feira de Ciências

Fugindo do modelo tradicional das feiras de Ciências, o Colégio Madre de Deus buscou inovação, levando os seus alunos ao Espaço Ciência para que pudessem mostrar os seus conhecimentos utilizando toda a estrutura do local.

O objetivo foi fazer com que, em vez de os alunos e professores se preocuparem com a preparação da ornamentação e os materiais visuais para a apresentação, dedicassem todo o tempo ao conhecimento do conteúdo e o experimentassem na prática.

“Acreditamos que, dessa forma, será mais interessante para o próprio aluno e para os visitantes, além de que, praticando, o aprendizado ficará muito mais consistente. A idéia surgiu a partir de uma aula-passeio no local. Já tínhamos visitado outras vezes este espaço, porém, como estávamos em busca de algo que satisfizesse os nossos anseios para este evento, observamo-lo com outro olhar”, disse a supervisora Christiana Cruz.

Decidido o local, o Colégio montou um projeto para garantir que os temas atendessem às classes participantes e contratou o instrutor Micaías Andrade Rodrigues, físico do próprio Espaço, para acompanhar todo o processo, orientando alunos e professores.

Para dar início aos trabalhos, o professor Micaías realizou um tour pelo local com os alunos, apresentando todos os temas e propósitos. A partir daí, a coordenação pedagógica, juntamente com os professores, selecionou os temas por turmas.

Além disso, o professor contratado teve encontros semanais com os alunos e professores, procurando enriquecer ainda mais o projeto.

Bibliografia
VANUCCI, M. Os manguezais e nós: uma síntese de percepções.
moisesneto.com.br/janainamanguezal.pdf
http://www.escolamangue.org
www.wikipedia.org.br
www.espacociencia.pe.gov.br
http://www.apoema.com.br/textos1.htm
www.ib.usp.br/coletaseletiva/saudecoletiva/tiposdelixo.htm
http://www.terrabrasileira.net/folclore/regioes/4modos/sd-monjolo.html
Revista Água & Vida – Agosto e setembro 07

cubos