Edição 101

Matérias Especiais

Procrastinação é apontada em pesquisas como principal mal entre estudantes

Nesse momento, você deve estar com preguiça de fazer algum trabalho para a faculdade, decidir o tema do seu trabalho de conclusão de curso (TCC) ou com aquela vontade de procurar alguma série na Netflix para assistir, pensando: “Por que fazer o trabalho agora se eu posso deixar para depois?”. A frase é típica dos procrastinadores. Mas o que é procrastinar?

Bom, de modo simples, procrastinar é o ato de deixar algo para depois, adiar uma situação, ter aversão a algo naquele presente momento. A falta de foco ou o desinteresse em certos assuntos levam facilmente à procrastinação, fazendo com que as pessoas percam a vontade de se submeter a uma situação naquele momento (apesar de muitas vezes a tarefa deixada de lado ser muito importante e acabar sendo feita em cima da hora).

Esse comportamento afeta a todos, principalmente os estudantes, que sempre deixam pelo menos um trabalho da faculdade para depois. No entanto, o efeito pode ser devastador, gerando ansiedade e estresse na reta final.

A professora da Faculdade de Psicologia da UFJF Fabiane Rossi explica que “Podem ser muitos os motivos que levam à procrastinação, como a preocupação excessiva com a própria capacidade de fazer as coisas corretamente, a falta de interesse na tarefa, a falta de organização ou até mesmo dificuldades na organização das atividades”.

Segundo a professora, o fenômeno é motivacional e envolve aspectos individuais e ambientais. “Pode estar associado a aspectos como autoeficácia, impulsividade, baixo autocontrole e organização, distratibilidade e as crenças que o indivíduo tem sobre si e sobre a tarefa a ser realizada.” Um hábito perigoso[...] que, conforme a docente, “pode levar à depressão, à ansiedade extrema e ao estresse, além dos prejuízos de desempenho acadêmico, influenciando a aprendizagem”.

O pesquisador e psicólogo Tim Pychyl, da Universidade de Carleton, no Canadá, estuda esse fenômeno há mais de 20 anos e revela que, para ele, a procrastinação é um dos maiores problemas educacionais na atualidade.

Em uma conversa do pesquisador realizada no YouTube (com uma audiência de mais de 230 mil pessoas), Pychyl explica que a procrastinação pode afetar não só a saúde mental, como a física também. Para ele, não se trata apenas de uma questão de tempo, mas de falta de organização e gerenciamento emocional, como beber para “afogar as mágoas” ou comer para “esquecer o ex”, coisas que causam distrações apenas em curtos prazos.

Não se trata apenas de uma questão de tempo, mas de falta de organização e gerenciamento emocional, como beber para “afogar as mágoas” ou comer para “esquecer o ex”, coisas que causam distrações apenas em curtos prazos.

Como evitar (ou amenizar)?

Existem vários métodos desenvolvidos para reduzir o hábito, como o mindfulness, que usa técnicas de meditação para buscar o foco e a atenção no momento presente.

A técnica é muito usada para o tratamento de pessoas com depressão, ansiedade, estresse e para dependentes químicos em reabilitação e propõe evitar o julgamento da própria mente para ampliar a atenção nas tarefas e nos afazeres do momento presente.

O professor da UFJF e psicólogo Afonso Damião é especialista nessa técnica e ensina algumas dicas para vencer a procrastinação, usando métodos bem simples. Quer testar?

Preste atenção na sua respiração, no ar entrando e saindo das suas narinas, o modo como você respira, seu pulmão enchendo e esvaziando de ar e foque nisso.

Na hora da sua refeição, tente sentir o gosto da comida, foque nos sabores e na sua mastigação e concentre-se nisso.

Afonso ressalta que as técnicas devem ser praticadas diariamente e que, com o tempo, é possível perceber as diferenças no corpo e na mente. “É uma evolução diária e um trabalho prático, igual a aprender a nadar, não adianta saber a teoria e não praticar, senão afundará na água; é um conjunto”. Ele ainda indica um canal no YouTube de uma psicóloga do Rio Grande do Sul chamado Sua mente, seu mundo, que ensina técnicas de mindfulness.

Quando estiver andando, preste atenção no seu modo de caminhar e nos seus pensamentos e tente organizá-los nas tarefas diárias, das mais urgentes às mais simples.

Além do mindfulness, existem outras formas para vencer a procrastinação e ampliar a concentração.

1 - Estabeleça metas claras e liste as tarefas que estão para ser feitas.

Com os seus objetivos do dia traçados e planejados, você conseguirá fazer tudo o que precisa com mais facilidade em um tempo determinado.

2 - Determine horários

Marque horários em alguma agenda para você cumprir os seus afazeres. Observe a hora em que você tem mais disposição no dia para realizar suas coisas e depois terá todo o tempo do mundo.

3 - Não se cobre demais ou se puna por procrastinar

Muitos ficam se culpando por estar procrastinando, e isso só piora a situação, causa mais ansiedade e expectativas que o necessário. Quanto mais cobrança e ansiedade, menos tempo e disposição você terá para fazer o que precisa.

4 - Entenda a importância do que precisa ser feito

Se você tem uma tarefa, mesmo que tediosa, ela precisa ser feita ou é seu “futuro” que está em risco; em algum momento, você terá que fazer, então por que não acabar logo com o sofrimento desnecessário?

5 - Busque recompensas após o término de suas tarefas diárias

Terminou o que tinha que ser feito? Agora vá se divertir, conversar com os amigos ou ver uma série, com a consciência plena de que tudo o que você tinha que fazer já está pronto.

Alguns professores já utilizam métodos com os alunos para poder vencer a procrastinação e conseguir mais atenção ao momento, usando algumas estratégias para reduzir esse problema.

Então deixe de preguiça, lave o rosto e vá terminar o seu trabalho, porque você ainda está procrastinando!

Disponível em: http://www.ufjf.br/noticias/2017/04/27/procrastinacao-e-apontada-como-principal-mal-entre-estudantes. Acesso em 10 de junho de 2018.

cubos