Edição 135

Editorial

Editorial

Prezado Educador,
Prezada Educadora.

“A importância da aliança entre pais, professores e profissionais de saúde constitui a base de qualquer proposta terapêutica. Quando o tripé família, escola e profissional da área de saúde mental funciona bem, a eficácia do tratamento atinge seu ápice.” César de Moraes – Professor de Psiquiatria Infantil

A cada edição da Construir Notícias, uma das nossas preocupações é oferecer aos professores subsídios que os ajudem a analisar situações cotidianas nas escolas.

Nesta edição, falaremos sobre um tema que vem preocupando muitos pais, professores e gestores: o transtorno opositor desafiador (TOD), para saber o que ele é, como podemos identificá-lo e como enfrentá-lo, de maneira clara, didática e objetiva. Acredito que, para muitos, o conceito correto seja desconhecido. Ouvimos com frequência que pais e professores se deparam com crianças que desafiam e se opõem à sua autoridade, são agressivas, discutem, não aceitam regras e apresentam desempenho ruim na escola. É preciso ter muita atenção a esses casos constantes de desobediência, pois eles podem se agravar e até se transformar em doenças.

Segundo Drauzio Varella, médico, oncologista, cientista e escritor brasileiro, o TOD é um distúrbio que ocorre na infância e na adolescência e provoca sintomas como comportamento desafiador e impulsivo, dificuldade de lidar com frustrações e teimosia. Ele, geralmente, surge antes dos 8 anos de idade, mas também pode ser diagnosticado em crianças mais velhas ou em adolescentes. É preciso atenção para saber diferenciar os sinais do transtorno de comportamento comuns nessa faixa etária. Durante o desenvolvimento, é normal observar certos comportamentos desafiadores nas crianças — como as chamadas birras, por exemplo. O que, então, indica que a criança pode ter um transtorno?

Segundo Letícia Sampaio, neurologista infantil e membro da Sociedade Brasileira de Neurologia Infantil, o comportamento opositor desafiador é comum em determinados estágios do desenvolvimento, como na adolescência, e em algumas situações estressantes, como conflitos familiares ou dificuldades escolares; ele também pode ser causado por outros fatores, como transtorno de ansiedade.

Estamos ainda, nesta edição, oferecendo matérias de inestimável valor pedagógico para contribuir, cada vez mais, para a formação continuada de todos os professores que, como nós, têm o desejo de oferecer sempre o melhor para os alunos. Aprofundando-nos no TOD e com a certeza de que temos muito o que conhecer sobre o assunto, temos dicas de filme e de leituras e, no Instagram da Editora Construir — @editoraconstruir —, uma live com a Dra. Luciana Brites, que abrilhantou, com sua apresentação, o nosso Momento Pedagógico, realizado no dia 24 de janeiro de 2024, falando sobre
o TOD com muita competência.

Queremos que todos que têm acesso à Construir Notícias sintam a mesma alegria que temos ao produzi-la, sabendo da sua riqueza pedagógica.

Junte-se a nós! Ajude-nos a fazer do ato de educar um ato responsável, solidário e prazeroso.

Abraço fraterno,

cubos