Edição 122

Gestão Escolar

Sobre a sabedoria da liderança e a fraternidade enquanto princípios de gestão

Grasiela Dourado

Para fazer gestão, é necessário ter radar vigilante 360 graus. Desta vez, nosso radar aponta que, em 2022, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil trabalhará na Campanha da Fraternidade o tema: Fraternidade e Educação e o lema Fala com sabedoria, ensina com amor (Pr 31, 26). E quais as lições que podemos tirar dessa campanha para a gestão escolar?

Os mais desavisados pensarão que a campanha é um ato religioso; outros dirão que é de uma religião, que serve à catequese: um engano. A CNBB pensa nas pessoas e na sociedade como um todo, pensa na integralidade do ser e na sobrevivência. E cá estamos nós para pensarmos juntos como esse tema serve à gestão escolar.

Gosto de pensar nas palavras separadas, de viajar e depois reuni-las. Pensar em fala, sabedoria, ensino, amor e fraternidade e o que tudo isso inspira a educação e a cada um de nós que deseja falar a quem precisa, ter a sabedoria na resolução de problemas, ensinar o que sabe, amar e ser amor, viver a fraternidade.

De onde vem a sabedoria?

A sabedoria do gestor não tem uma origem demarcada. Há gestor sábio sem grande avanço acadêmico; outros têm os dois, a academia e a sabedoria, que pode vir de lá ou não. Há gestor sábio no tratamento dos liderados, e seus conselhos perpassam a vida. Há os que constroem planos de ação realizadores de mudanças, mas o que cada gestor quer mesmo é ter sabedoria nas múltiplas áreas de uma gestão tão delicada como a da educação. Por líderes sábios, eis nosso manifesto!

Liderar é ensinar com amor

Um mundo fraterno é feito de pessoas fraternas São indissociáveis liderança, gestão e amor. Falo dessas três poderosas palavras porque acredito que liderar é um ato de amor. Pois o amor não é revestido de cuidado e zelo? Quem ama não conduz, pensa no que é melhor para o outro, orienta o futuro e cuida no presente. Os bons líderes são assim, ensinam com amor. Liderar não é um verbo transitório, é um estado, um sentimento. O líder o é porque se fez. Um líder o é sempre em todas as circunstâncias e em todas as decisões porque considera o outro e como pode contribuir, como pode desenvolvê- -lo ainda mais. Quem lidera ensina, quem ensina perpetua. Ensinar é uma forma de contribuição, de enriquecimento, de levar as pessoas à sua máxima potência. E, nesse sentido, cada gesto de um líder na gestão escolar perpassa por uma leitura de mundo, de valores, de fraternidade. Quem tem uma boa liderança cresce; quem não, quase sempre desfalece

Um mundo fraterno é feito de pessoas fraternas

Não tem como se colocar fora do mundo e falar: “As pessoas deveriam, as famílias deveriam, as escolas deveriam…”. Nós estamos no mundo e somos as pessoas que o compõem. Ao invés de olhar como se estivéssemos fora, temos que olhar para dentro; é lá onde a fraternidade nasce: dentro de cada um de nós. A fraternidade é irmanada com o amor, com o carinho… Só se desenvolve em ambiente fértil de positividade. A fraternidade é um daqueles sentimentos que levam a pessoa a fazer coisas que parecem impossíveis de fazer, até por si. Pessoas fraternas são exemplos a seguir! Geralmente os líderes fraternos têm dedicação absoluta em fazer o bem para todos os liderados. Eles nutrem sentimentos que ligam as pessoas umas às outras e aos projetos e, assim, formam equipes com laços fortes, de grande valor. A presidência da CNBB destacou, no seu discurso de lançamento da Campanha da Fraternidade, que “a Quaresma é um tempo favorável para a conversão do coração”. Essa campanha acontece no Brasil desde 1964, com o propósito de ser um caminho para que os cristãos vivam a espiritualidade quaresmal com o sentido de mudança e transformação pessoal rumo à solidariedade. Para desenvolver esse tema com sua equipe, ou melhor, para viver esse tema na sua gestão, faz-se necessária uma verdadeira mudança de mentalidade e revisão de atitudes e valores para o pleno desenvolvimento de todos: líder e liderados. É preciso trabalhar esta soft skill “espiritualidade” e fazer a sua conversão de liderança, afinal conversão tem a ver com mudança, com transformação. E uma equipe com espiritualidade desenvolvida “Fala com sabedoria, ensina com amor” (Pr 31, 26).

 

 

 

Grasiela Dourado é pedagoga, com habilitação em Supervisão Escolar, pós-graduada em Metodologia e Didática, palestrante e consultora educacional; tem MBA em Gestão Estratégica de Pessoas e MBA em Business Transformation.
E-mail: grasieladourado@gmail.com.

cubos