Edição 122

Projeto Didático

Projeto dicionário de tonicidade

Vinícius Nicéas do Nascimento

O processo de ensino e aprendizagem do uso de dicionários só se completa quando as informações, depois de devidamente identificadas e compreendidas, são incorporadas ao vocabulário ativo e/ou passivo do aluno. [...] Faz parte da competência lexical de todo e qualquer falante da língua uma clara identificação do que é preciso aprender ‘para saber’ e do que é possível aprender ‘para usar’ — e em que circunstâncias, contextos e tipos de discurso (BRASIL, 2012, p. 40).

Apresentação

O protagonismo estudantil é uma das missões da escola. O estudante precisa ser (e se reconhecer na construção de conhecimentos). Nessa perspectiva, faz-se necessário que as práticas pedagógicas desenvolvidas permitam essa realidade, visto que o estudante não só se envolve no processo de ensino-aprendizagem como também torna tal processo mais humano e significativo.

O desafio de empreender propostas diferenciadas na era da tecnologia tem sido um dos grandes entraves para os professores. Grande é a parcela de alunos que não estão estimulados ao ensino, realizando de maneira superficial as atividades a eles direcionadas. Com isso, incentivar o protagonismo estudantil é, também, redirecionar os estudantes à aprendizagem.

Justificativa

Aprender uma língua estrangeira nem sempre é uma tarefa fácil. Muitos se fecham, recusam-se a participar ou desenvolvem o estudo apenas por “obrigação escolar”. Essa questão, associada a um modelo cristalizado de ensino de língua centrado na repetição escrita/oral e na memorização, resulta em um apagamento do sujeito enquanto estudante. Uma perspectiva de mudança desse panorama é permitir que esse estudante seja (e se veja) como um autor, considerando a autoria como um aspecto relevante para o protagonismo estudantil.

Nesse direcionamento, o projeto Dicionário de Tonicidade surgiu para permitir o desenvolvimento de habilidades de pesquisa, de organização de informações, de tomadas de decisão e, além de tudo isso, propiciar a vivência da autoria. Geralmente, um dicionário, que apresenta “[...] descrições mais ou menos extensas, mais ou menos detalhadas, do léxico de um idioma” (BRASIL, 2012. p. 13) é compreendido como um material finito, objetivo, completo em si mesmo.
Porém, ao trabalhar com aspectos de uma língua estrangeira, como a tonicidade, a proposta permite que os estudantes possam agir e interferir no processo produtivo, porque, assim como os dicionaristas, eles “[...] devem atender não apenas às suas convicções teóricas, mas também às principais demandas práticas do falante às voltas com as palavras de sua língua” (BRASIL, 2012, p. 14).

Assim, o projeto abre espaço para que os estudantes sejam protagonistas na ação educativa, ao passo que torna significativo o aprendizado de aspectos linguísticos de uma língua estrangeira. Em razão das delimitações realizadas nessa proposta, o projeto teve como resultado o Breve Dicionário de Tonicidade de Palavras do Espanhol, divulgado em versões impressa e digital, em que cada estudante atua como pesquisador e autor de verbetes diversos.

Objetivo geral

• Desenvolver a habilidade de pesquisa, seleção e organização de informações para fins específicos.

Objetivos específicos

• Pesquisar vocabulário em língua estrangeira.

• Compreender o processo de elaboração de um dicionário.

• Reconhecer a tonicidade de palavras do espanhol em contraste com o português.

• Analisar informações coletadas e sugerir possíveis alterações.

• Estudantes de Espanhol do 9º ano do Centro Educacional Prisma.

Público-alvo

• Estudantes de Espanhol do 9º ano do Centro Educacional Prisma.

Período de realização

• Dois meses.

Recursos humanos

• Estudantes da turma.

• Professor-mediador.

Recursos materiais

• Celulares e tablets.

• Computador e projetor.

• Dicionários de espanhol impressos.

Estratégias

• Organizar o modelo-padrão para produção dos verbetes do dicionário.

• Trabalhar o tema da tonicidade das palavras em espanhol com os estudantes.

• Realizar a separação das letras do alfabeto para cada estudante.

• Proceder as delimitações necessárias para a viabilidade do projeto (quantidade de verbetes por letra/estudante; classe gramatical das palavras a ser pesquisada).

• Pesquisar os verbetes em dicionários impressos e buscasna Internet.

• Analisar e organizar as informações no modelo-padrão do dicionário.

• Realizar uma roda de conversa para verificação e correção dos verbetes construídos.

• Coletar todos os verbetes e iniciar o processo de finalização do dicionário.

• Distribuir a versão impressa e disponibilizar a versão digital do dicionário.

Avaliação

A avaliação foi realizada de forma processual, a partir da prática de pesquisa e análise de informações durante todas as aulas pertinentes ao projeto, o qual se apresentou bastante significativo para os estudantes — desde a sua concepção à entrega da versão impressa —,
e respaldada nos relatos dos estudantes e de outros mediadores e na demonstração da relevância do projeto por parte da comunidade escolar, por meio de comentários e postagens em redes sociais.

Referências

BRASIL. Com direito à palavra: dicionários em sala de aula. Brasília: Ministério
da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2012

Vinícius Nicéas do Nascimento é formado em Letras e Mestre em Linguística. Atua como professor de línguas portuguesa e espanhola do Ensino Fundamental (anos finais) do Centro Educacional Prisma.
Instagram: @vniceas

cubos